No Norte, 46% veem o governo de Temer pior do que o de Dilma

Com informações de agências / portal@d24am.com


Brasília – O governo do presidente Michel Temer (PMDB) é avaliado como ruim ou péssimo por 51% dos brasileiros, índice 20 pontos superior ao registrado em julho, quando 31% tinham uma opinião negativa sobre sua gestão. A fatia dos que avaliam o governo Temer como ótimo ou bom caiu de 14% para 10% no mesmo período, e a avaliação regular passou de 42% para 34%. Há, ainda, 5% que não opinaram sobre o mandato do peemedebista, índice inferior ao registrado no levantamento anterior (13%). Na Região Nordeste, 57% veem o governo do peemedebista como pior do que o de Dilma Rousseff, e na Região Norte, 46%, enquanto no Sudeste (32%), Sul (34%) e Centro Oeste (33%) esses índices são mais baixos. Para 40% dos brasileiros, Temer está fazendo um governo pior do que sua antecessora, Dilma Rousseff (PT).

Entre os segmentos em que a avaliação negativa de Temer mais avançou estão a parcela que tem de 35 a 44 anos (de 30% para 55%), os brasileiros com renda mensal familiar de renda média, entre cinco e dez salários ao mês (de 26% para 56%) e os moradores das regiões Sul (de 23% para 48%) e Nordeste (de 33% para 60%). De 0 a 10, a nota média atribuída ao desempenho de Temer até o momento é 3,6, ante 4,5 em junho.

A fatia dos que avaliam que Temer faz um governo pior do que o de sua antecessora é mais alto entre as mulheres (45%) do que entre os homens (35%). Entre os mais pobres, esse índice fica em 45%, e cai conforme o avanço da renda familiar, atingindo 24% entre os mais ricos (neste segmento, 40% avaliam a gestão atual como melhor do que a anterior, ante 16% entre os mais pobres).

A avaliação de que Temer defende os mais ricos é compartilhada por 75%, ante 7% que acreditam que ele defende os mais pobres, além de 18% que não opinaram nesta questão. Para 63%, o peemedebista é muito inteligente, e os demais o consideram pouco inteligente (27%) ou não opinaram (10%). O índice dos que avaliam Temer como falso fica em 65%, e para 18% ele é sincero, com 17% sem opinião. Para 58%, o atual presidente é desonesto, e 18% o consideram honesto, além de 25% que não tem opinião sobre o assunto. Metade (50%) dos brasileiros também considera Temer autoritário, ante 34% que o consideram democrático, com os demais 16% não opinando. Por fim, no atributo que mais divide a população adulta do país, 46% veem o peemedebista como decidido, e 43%, como indeciso, e há 11% sem opinião sobre a questão.

A maioria (63%) dos brasileiros gostaria que Michel Temer renunciasse a seu mandato até o final deste ano para que pudesse ser realizada uma eleição direta para a Presidência da República. São contra essa proposta 27%, e os demais são indiferentes (6%) ou não opinaram (3%). No faixa dos mais jovens, 68% defende a renúncia do atual presidente, índice que cai para 51% entre os mais velhos. No Nordeste, 69% se posicionam pela saída de Temer. Entre os mais ricos, a taxa de contrários à renuncia e nova eleição atinge 40%.

Após ceder lugar à corrupção como principal problema do País nas pesquisas realizadas pelo Datafolha sobre o tema, a saúde retomou o posto de principal preocupação dos brasileiros entre as áreas de responsabilidade do governo federal.