Opositores venezuelanos marcham pelas ruas de Caracas

Conteúdo Estadão / Diário do Amazonas


Caracas – Com gritos de “esse governo vai cair”, opositores venezuelanos chegaram a Caracas nesta quinta-feira, 1.º, para participar de manifestações com o objetivo de pressionar o Conselho Nacional Eleitoral a realizar o referendo revogatório contra o presidente Nicolás Maduro ainda neste ano.

Contando com manifestantes vindos desde a floresta Amazônica até os Andes do oeste, a coalizão opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD) espera que um milhão de pessoas se reúnam para expressar sua revolta com Maduro e a grave crise econômica da Venezuela.

Maduro, de 53 anos, diz que a “Tomada de Caracas”, como é chamada a marcha, disfarça um plano de golpe de Estado fomentado pelos Estados Unidos semelhante à tentativa de deposição de seu antecessor Hugo Chávez, em 2002, que não prosperou.

Repressão. Autoridades prenderam alguns ativistas conhecidos na véspera do evento e 13 ativistas e apoiadores ainda estão sob custódia, de acordo com um grupo de direitos humanos local. Policiais e soldados adicionais estavam sendo posicionados nas ruas da capital, e se espera que barreiras sejam montadas nas ruas.

Temendo a violência, especialmente levando em conta as 43 mortes vistas nos protestos anti-Maduro de 2014, muitos estabelecimentos comerciais planejavam baixar as portas.

“Toda a Venezuela está se mobilizando pelo direito ao voto e para derrotar a estratégia do medo e da chantagem, com o objetivo de fazer a mobilização política mais importante da história recente”, disse o secretário executivo da MUD, Jesús “Chuo” Torrealba.

“Temos que sair e lutar por uma Venezuela livre! Não podemos mais aguentar isso”, disse Elizabeth De Baron, secretária de 69 anos que partiu da cidade de Guarenas antes do amanhecer e dirigiu cerca de 40 quilômetros até Caracas.

Dezenas de indígenas caminharam centenas de quilômetros a partir do Estado do Amazonas para as manifestações.

Reação. Prometendo lealdade ao legado de Chávez e classificando a oposição como uma elite abastada determinada a controlar o petróleo venezuelano, partidários do governo vestidos de vermelho se preparavam para realizar suas próprias passeatas em reação.

O chavismo proibiu o uso de drones e pequenas aeronaves em Caracas, em uma aparente tentativa de evitar o registro de imagens aéreas das manifestações.

“Jamais desistirei!”, disse Maduro nesta semana.

O índice de aprovação do líder caiu pela metade e chegou a menos de 25% diante de um quadro de preço declinante do petróleo e uma economia predominantemente estatal claudicante que vem causando tumulto no país-membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).