Paralisações no transporte público prejudica 40 mil usuários em Manaus, diz Sinetram

Laís Motta / portal@d24am.com


Manaus – Pelo segundo dia consecutivo, paralisações de empresas do transporte público de Manaus prejudicaram, pelo menos, 40 mil passageiros, na manhã desta sexta-feira (6), segundo o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram). A ação dos rodoviários é pela reivindicação de pagamento de direitos trabalhistas atrasados.

No total, quatro empresas pararam suas atividades nas primeiras horas desta sexta. Uma delas foi a Via Verde, que realizou uma parada nos serviços entre 4h e 5h, prejudicando 20 mil pessoas das zonas oeste, centro-oeste e parte da zona sul de Manaus. A empresa opera com 41 linhas e 221 carros.

A Vega, que opera nas zonas norte e oeste, ficou parada de 4h15 às 6h. Outros 20 mil passageiros foram prejudicados. A Vega presta serviço com 14 linhas e 75 carros.

Segundo o Sinetram, também houve paralisações nas empresas Açaí, que opera nas zonas oeste e centro-oeste, e a Global, que cobre a zona leste de Manaus. Ainda não há informações sobre a parada destas duas empresas.

O Sinetram disse que vai comunicar a Justiça sobre o descumprimento da liminar expedida pela desembargadora do trabalho, Eleonora Saunier Gonçalves, que determinou que os sindicalistas se abstenham de desencadear movimentos paredistas desde a última quinta-feira (5). A ação dos rodoviários é pela reivindicação de pagamento de direitos trabalhistas atrasados, de acordo com o Sinetram.

A decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT/11) aponta que as paralisações estão ocorrendo sem o cumprimento dos requisitos dispostos na Lei 7.783/89, ressalvado o direito de greve nos parâmetros legais, com o estabelecimento do patamar mínimo operacional de 70%, por se tratar de serviço público essencial. Os rodoviários podem ser multados em R$ 50 mil por dia de paralisação.

A reportagem tentou contato com a direção do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM), mas não obteve sucesso até a publicação desta matéria. Ontem (5), o vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM), Josildo Oliveira, informou que o motivo da paralisação são acordos trabalhistas descumpridos pelas empresas. “As empresas não estão pagando o dissídio coletivo dos trabalhadores, nem a insalubridade que a Justiça já mandou pagar e as empresas se omitem a pagar”, disse Oliveira.

O Sinetram informou que as quatro empresas do transporte público de Manaus voltaram a operar normalmente ainda na manhã desta sexta-feira.