Quase metade dos consumidores do País adquire cartão após oferta da instituição

Quase metade (49%) dos usuários de cartões de crédito e de cartões de loja adquiriram essa ferramenta de pagamento não por iniciativa própria, mas após serem abordados por uma instituição bancária ou por um estabelecimento comercial.  No caso do cheque especial, o percentual sobe para 50,3%. Esses são resultados de uma pesquisa, realizada em todos os Estados e no Distrito Federal, pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), que investigou oito diferentes modalidades de crédito.

Além disso, uma parte considerável de entrevistados efetivou a contratação do serviço sem se atentar as suas condições financeiras. Segundo o levantamento, entre todos os tipos de créditos investigados, o cheque especial e o cartão de loja foram as modalidades em que os entrevistados menos analisaram as tarifas e juros cobrados, quando comparado à média geral: 31,2% e 29,9% dos respectivos usuários não deram a atenção devida a esses pontos. No caso do cartão de crédito, 26,9% foram negligentes na hora de avaliar essas condições.

Empréstimo pessoal em bancos (55%), crediário (58,5%), financiamento (65,7%) e empréstimo consignado (55,2%) são as únicas modalidades de crédito em que a maioria de seus usuários tiveram a iniciativa própria de realizar a contratação, em vez de serem abordados.

“A facilidade de crédito pode acabar estimulando vontades até então inexistentes, o que acaba servindo como primeiro passo para gastos impensados e acima dos limites do orçamento”, explicou a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.