2ª edição do projeto Jovens Criadores do Amazonas será realizada em setembro

Manaus – Manaus será sede, de 5 de setembro a 6 de dezembro, da segunda edição local do projeto Jovens Criadores no Amazonas. Com a proposta de promover uma imersão em um ambiente criativo e experimental, o projeto oferece duas residências em arte contemporânea e performance art, além de atividades de extensão voltadas para o estudo em arte e produção de conhecimento por meio da criação artística.

De acordo com Damares D’arc, produtora da iniciativa, apesar de ser direcionada para a dança contemporânea, a intenção é somar à formação de artistas, independente da área de atuação. “Nossos cursos são muito abertos e, hoje em dia, não tem mais aquela divisão nas áreas artísticas. Os profissionais se aproveitam de várias referências para a sua área”, explica a produtora.

As residências ofertadas — Uma Breve História da Dança Contemporânea, Novos Criadores e Movimentação e Desenho em Manaus — serão ministradas por Christine Greiner, professora e pesquisadora de dança e teatro da PUC-SP;
Getúlio Lima, diretor artístico do Corpo de Dança do Amazonas (CDA); Rob List, artista performático, coreógrafo e professor americano; e Adriana Goes, bailarina, professora e ex-atleta da Seleção Amazonense de Ginástica Rítmica e da Seleção de Ginástica Rítmica do Rio de Janeiro.

Ao final da programação das aulas, os participantes poderão participar e apresentar seus trabalhos na Mostra Jovens Criadores.

As inscrições estarão abertas, através deste site , até o dia 28 de agosto. Os 12 selecionados para as residências serão escolhidos a partir de currículo e carta de motivação. Além disso, a participação nas atividades de extensão é aberta a um número maior de participantes. O resultado será divulgado no dia 31 de agosto, pelo site e na página do projeto no Facebook.

Segunda edição
A segunda edição do projeto repete a iniciativa que fez sucesso entre os profissionais, no ano passado. “Todo processo inédito é desbravador e nós vamos resolvendo e desenrolando com o tempo. Mas, de forma geral, a primeira edição teve uma repercussão ótima, que nós pretendemos repetir, dessa vez”, relembrou Damares D’Arc.

“Nós tivemos, inclusive, uma dinâmica na praia e, apesar de a nossa residência não focar em um produto final, vários participantes se sentiram à vontade de mostrar seus trabalhos na mostra final, o que foi ótimo”, completa.