Atores do Tesc seguem unidos para ensaiar ‘Tartufo’

Por Tiago Melo


Manaus – Após serem desligados do grupo de Teatro Experimental do Sesc (Tesc), em julho deste ano, cinco atores que, à época, ensaiavam para o espetáculo ‘Tartufo’, agora, lutam para seguir unidos, trabalhando na realização da peça. A indignação com o desmanche e as dificuldades de uma produção independente, contudo, não afastam os atores de seus ideais artísticos.

“‘Tartufo’ estrearia em julho e fomos demitidos no dia 6 desse mês. No dia 5, ainda estávamos ensaiando. Interrompemos o processo e não sabemos, ainda, como vamos proceder ou se vamos conseguir. Para falar a verdade, acho que não conseguiremos mais retomar e estrear esse espetáculo ainda este ano”, comentou a atriz Daniely Peinado, ex-integrante do Tesc.

Para ela, aliás, o mais importante, no momento, é manter o time, que trabalha junto, desde 2003. “Criar outro grupo, recomeçar do zero, reestabelecer uma rotina etc., iria tomar muito tempo. O material humano e a cumplicidade que conseguimos com todos esses anos de trabalhos não podem ser perdidos”, afirmou, referindo-se aos atores Emerson Nascimento, Robson Ney, Carla Menezes e Dimas Mendonça.

De acordo com a atriz, independentemente de o grupo conseguir ou não encenar o espetáculo ‘Tartufo’, a ideia é continuar fazendo teatro. “A questão de espaço e produção, aqui em Manaus, é bem complicada. Antes, podíamos ensaiar diariamente no Sesc. Enfim, vamos ter que nos articular. Não é porque não fazemos parte do Tesc que vamos desistir”, reforçou Daniely, ressaltando que, mesmo que ‘Tartufo’ seja deixado de lado, outras montagens virão.

Reformulação vs. encerramento

Após rumores de que o Tesc havia chegado ao fim, o coordenador de cultura da instituição, Aldemir Barros, desmentiu, na semana passada, ao DIÁRIO, a informação e esclareceu que, na verdade, o Tesc passa por uma reformulação. “O Tesc não acabou, ele continua fazendo parte da nossa programação de artes cênicas, com o objetivo de formar novos atores para encenar peças”, afirmou.

Entretanto, para os integrantes desligados, ele acabou sim. “Havia cursos para os atores de dentro do Tesc se reciclarem, tínhamos carteira assinada como ator. Se vão mudar e passar por uma reformulação, ok, mas dizer que isso é o Tesc é uma falta de respeito com o trabalho que fizemos lá”, comentou o ator Emerson Nascimento, garantindo que o Tesc nunca foi um projeto de formação.