Banda presta tributo ao Linkin Park nesta terça-feira, no Teatro Amazonas

Evento conta com os maiores sucessos da banda e aborda o tema depressão, causa da morte do vocalista Chester Bennington

Manaus – Rock, homenagem, reflexão e apoio à causa social. Com todos esses elementos, a banda Bates Motel sobe ao palco do Teatro Amazonas (avenida Eduardo Ribeiro, nº 659, Centro, zona sul) para um show beneficente na próxima terça-feira (19), em duas apresentações: às 18h, e às 20h30, em homenagem ao vocalista da banda norte-americana Linkin Park, Chester Bennington, que foi encontrado morto no dia de 20 de julho deste ano.

No repertório selecionado para a noite, sucessos como Numb, Faint, One Step Closet e algumas músicas novas do grupo de rock não ficarão de fora.

Vocalista da banda morreu aos 41 anos em julho deste ano (Foto: Divulgação)

Composta por Vitor Mascarin (vocal), Thiago Carvalho (guitarra/vocal), João Alcantara (baixo/vocal), Diego Cavalcante (guitarrista) e Rafael Santana (bateria), e com uma proposta musical diferenciada, a Bates Motel se apresenta com frequência nas casas noturnas de Manaus como Porão do Alemão, Os Intocáveis Gastropub, O Sindicato, Jack’n Blues, entre outros.

De acordo com Diego Cavalcante, esta é a primeira vez que a banda se apresentará no Teatro Amazonas e, por isso, garante que não vai decepcionar os fãs. “Vai ser emocionante, estamos nos empenhando para ser algo único. Decidimos fazer algo de coração, dedicado aos fãs”.

Doações

A entrada para o show será um livro ou um brinquedo, que serão doados para a Casa Andrea do Amazonas, sociedade de amparo a hansenianos que existe há 38 anos na capital e que fica localizada na rua Brasil, nº 40, Coroado, zona leste de Manaus.

Durante o evento, também será exibido um vídeo com o tema “depressão”, forma encontrada pela banda para homenagear o grupo Linkin Park, alertando principalmente os jovens sobre os perigos dessa grave doença que levou Chester, além de aliar o evento à causa social dos hansenianos.

Chester Bennington

O cantor morreu aos 41 anos em julho deste ano. Ele se enforcou com um cinto, de acordo com a polícia. O cantor lutou por anos contra drogas e álcool, e disse em uma entrevista no ano passado que já havia pensado em suicídio porque foi abusado quando criança, por um homem mais velho.

Com o Linkin Park, Bennington conheceu a fama. A banda teve seu auge no início dos anos 2000, com os álbuns “Hybrid theory” e “Meteora”. Na época, o grupo emplacou seu rock alternativo, com influência de rap e metal, em paradas de sucessos com músicas como “Faint”, “In the end”, “Crawling” e “Numb”.

A banda ganhou dois prêmios Grammy, pela performance de “Crawling” e pelo single “Numb/Encore”, do disco “Collision Course”, gravado em colaboração com o rapper Jay-Z em 2004.