Corpo de Dança da UEA promove espetáculo ‘A Era do Rádio – Simplesmente Nelson’

A apresentação terá 45 minutos de duração e contém 11 cenas em que os intérpretes contracenam e dançam diversos estilos da dança de salão, jazz e performances teatrais

Com informações da assessoria / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O Corpo de Dança Rosas de Salão da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) apresenta o espetáculo ‘A Era do Rádio – Simplesmente Nelson’, que retrata a vida boêmia do cantor Nelson Gonçalves, nesta sexta-feira (15), às 20h, no Teatro Aldemar Bonates, no Centro Estadual de Convivência da Família Magdalena Arce Daou, na Avenida Brasil, s/n, bairro Santo Antônio, zona oeste. Com entrada franca, o evento é aberto ao público em geral.

A apresentação terá 45 minutos de duração e contém 11 cenas em que os intérpretes contracenam e dançam diversos estilos da dança de salão, jazz e performances teatrais. Segundo o professor de dança de salão da UEA e um dos coreógrafos do projeto ‘Rosas Dança de Salão’, Marcus Vinicius Prudente, bolero, bachata, samba de gafieira, chá-chá-chá, samba-canção, milonga e tango argentino são estilos que comporão o espetáculo.

O espetáculo será apresentado, nesta sexta-feira (15) (Foto: Divulgação)

Dentre as inúmeras canções interpretadas por Nelson Gonçalves, fazem parte do repertório ‘A Volta do Boêmio’, ‘Extâse’, ‘Meu Dilema’, ‘Renuncia’, ‘Naquela Mesa’, ‘Devolvi’, ‘Revolta’, ‘Vermelho 27’, ‘Hoje Quem Paga Sou Eu’, ‘Carlos Gardel’ e ‘Na Cadência do Samba’.

Prudente ressalta que os coreógrafos Sandra Valéria, também do ‘Rosas Dança de Salão’, e Jeanne Chaves de Abreu da Pajé Cia. de Dança, mergulharam no projeto de criação do espetáculo, por meio de uma pesquisa sobre a vida do artista Nelson Gonçalves.

“Foram horas lendo alguns textos e assistindo vídeos sobre o cantor. Alguns filmes e documentários sobre as performances de Nelson nas noites cariocas e paulistas e uma apresentação do mesmo, quando esteve na cidade de Manaus, apresentando-se na praia da Ponta Negra, nos idos anos 1980”, explica Prudente.