Em formato PDF, fanzine do músico Albenízio Júnior resgata fatos da cena “rock” manauara

Por Lennon Jorge


Manaus – A reação manauara à morte de Kurt Cobain, vocalista do Nirvana; o lançamento local de ‘Pìnk Floyd – The Wall’, no extinto Cine Chaplin, no Centro; além de bandas, festivais e bares que marcaram época, entre outros assuntos. Tudo em relatos assinados por quem viveu e, hoje, faz a cena rock resistir em meio às adversidades de sempre.

É o que trazem as duas edições do ‘Enzinado’, fanzine colaborativo idealizado pelo músico Albenízio Júnior, voz e baixo da banda Os Playmobils, que foi apresentado ao público em abril deste ano, mas cuja ideia nasceu bem antes, em 1998.

“Sabia que, um dia, teria um fanzine, mas todo escrito por mim. Já o ‘Enzinado’ é diferente por ser um webzine e totalmente colaborativo. A ideia é resgatar as histórias das noites de Manaus e de qualquer cidade do Amazonas, desde que essas histórias estejam relacionadas ao rock amazonense. Conheço muita gente do meio que tem muita história boa para contar. Por que não colocar essa turma para escrever e, enfim, resgatar nossas noites?”, afirma o criador da publicação, disponível para download no site Rock Amazonense (rockamazonense.com/zine/).

Da origem física, a única característica remanescente foi o tamanho das páginas, porque o fanzine é disponibilizado em arquivo de formato PDF. “Fazer impresso seria muito bom, é o método tradicional de divulgar fanzines, mas não tenho dinheiro para bancar isso, muito menos tempo de correr atrás de patrocínio. É amor ao rock n’ roll, o fanzine”, Explicou o músico, sem desconsiderar, mais para frente, lançá-lo em versão imprensa.

“Esse formato em PDF é ótimo em todos os sentidos, mas ainda penso em fazer a versão impressa para distribuir nas festas e nos bares que tenham a temática rock”, emendou, ressaltando que todas as edições do ‘Enzinado’ sairão pelo blog Rock Amazonense.

O processo

Segundo Albenízio, o processo de criação do zine funciona de forma simples, com um contato direto com os colaboradores. “Parece brincadeira, mas, quando peço colaboração dos amigos e conhecidos, vou chamando quem aparecer online. Se é do rock, deve ter uma história para contar e, como um professor, passo a atividade para os alunos”, explicou, aos risos.

Nomes conhecidos da cena local toparam a convocação feita por ele, como os produtores culturais Frank Roosevelt, Jorge Bandeira e Renata Paula, os músicos Carol e Henrique Magnani (Os Playmobils), Karidy Abreu (Eagles Rock e Rusty Angel), Ehud Abensur (Black Caps) e Lincoln Mones (The Mones), o artista plástico Gilmal, entre muitos outros. “As pessoas falam bem. Gostam do projeto. E eu fico muito lisonjeado com toda e qualquer crítica, mas eu só faço diagramar e revisar tudo”, finalizou.