Em Manaus, cortinas reabertas para a 11ª Mostra de Teatro

Ao todo, 14 espetáculos locais serão apresentados de 24 a 30 de abril, sempre com sessões às 10h e às 20h, durante a 11ª Mostra de Teatro do Amazonas

Da Redação / portal@d24am.com

Foto: Fabiele Vieira/Divulgação

Manaus – As companhias de teatro locais voltam a ocupar espaço de destaque na cidade. Isso porque de 24 a 30 de abril, 14 espetáculos serão apresentados no Les Artistes Café Teatro, dentro da segunda fase da 11ª Mostra de Teatro do Amazonas, realizada pela Federação de Teatro do Amazonas (Fetam).

Comédias, performances, palhaçaria, dramas e reflexão do homem na sociedade darão a tônica desta nova etapa. Para a atriz e diretora Ana Cláudia Motta, o evento representa uma grande vitrine do que é produzido no Amazonas para a comunidade local. “Nós do teatro enfrentamos um grande problema que é o amazonense prestigiar seus artistas locais. Portanto, a mostra vem, mais uma vez, fortalecer as relações artísticas com o público já assíduo e com aqueles que ainda não frequentam os teatros”, disse.

Como diretora da Companhia ArtBrasil, Ana Cláudia afirma que a peça de Martins Pena, ‘Quem Casa, Quer Casa’, que será apresentada no dia 28 de abril, foi concebida oportunamente para o novo repertório do grupo, mesmo tendo sido escrita no Século 19.

“Teatro é a arte do ao vivo, da troca de energia e é importante esse retorno do público, ainda mais pela peça ser uma comédia. A montagem é um retrato da sociedade pelas mãos de Martins Pena, em contraponto, até hoje, com a realidade brasileira, sendo uma crítica social e atemporal dos comportamentos”, finalizou a artista.

A primeira noite da mostra (24) contará com ‘Abaporutação’, performance teatral encenada pelo ator Dimas Mendonça. No palco, o artista dispõe de cadeiras espalhadas pelo espaço que acomodará o público.

A lista ainda contará com: ‘Pés na Estrada’, do grupo Dragão 7 de Teatro (SP); ‘10 horas’, de O circo de um Piteco só; ‘Vocês viram meu cachorro?’, da Cia. de Atores Escalafobéticos; ‘O Palhaço e a Bailarina’, da Tapa Produções; ‘Minha mãe se mata às 21h30’, de Paulo Queiróz; ‘ClownBaré’, de Ana Oliveira; ‘Amazônicas’, de Acácia Mié; ‘Meninos do Quintal’, da Criatê Arte e Produções; ‘Herói’, da Soufflé de Bodó Company; ‘Adolpho Saudades’, de Ednelza Sahdo; ‘Clowntidiano – O espetáculo’, da Cacompanhia de Artes Cênicas; e ‘Mãe in loco’, da Soufflé de Bodó Company.

Comentários via Facebook