Mostra itinerante abre inscrições

‘Cine bodó’ selecionará produções de até 15 minutos de duração, que serão exibidas em diversos bairros distantes de Manaus. Edição deste ano acontece no mês de novembro

Gabriel Machado/plus@diarioam.com.br

Manaus – Ficção, documentário e animação, entre outros gêneros do cinema, conduzirão a mostra itinerante de audiovisual ‘Cine Bodó’, que abriu as inscrições para a sua terceira edição, em Manaus. O evento recebe curtas-metragens até o próximo dia 15 de setembro e conta com o apoio da Amacine Futuros Cineastas, Agência Candiru e Sesc Amazonas. As produções selecionadas serão exibidas em zonas periféricas da capital amazonense, a partir do mês de novembro.

Aberta Inscrições para mostra itinerante não se limitam a Manaus e são abertas para todo o Brasil. Foto: Divulgação/Junior Moraes

O regulamento com os detalhes da mostra está disponível no link telegra.ph/CineBodo-08-16. “Há um tempo, pensava na descentralização das atividades culturais da cidade, mais especificamente do audiovisual. De modo esporádico, exibia filmes na garagem da minha casa e a maior parte do público era de crianças e adolescentes da vizinhança. E não adiantava apenas exibir o filme, era preciso brincar, conversar e comer algo. Então, esbocei uma proposta de uma mostra que pudesse exibir curtas do Brasil, atrelada a uma pequena ‘vivência de audiovisual’”, disse a mobilizadora e organizadora do evento, Dheik Praia.

Apesar de ser um evento amazonense, as inscrições do ‘Cine bodó’ são abertas para todo o País. Os curtas devem ter a duração de, no máximo, 15 minutos. “Estamos recebendo inscrições de todo o Brasil. Nosso objetivo é receber filmes que possam contribuir com a formação e percepção de mundo de jovens e adultos. No fim das contas, o ‘Cine bodó’ é uma mostra que tem o desejo de ser uma injeção de ânimo”, completou Dheik.

A mobilizadora espera que, neste ano, a mostra receba uma grande variedade de curtas — que deverão ser enviados à organização via link do YouTube ou Vimeo. “Gostaria que os filmes inscritos sejam aqueles que precisam chegar ao seu público. Público este que está à margem da manipulação da grande mídia e que não tem a internet ao seu favor”, ressaltou.

Neste ano, o evento visitará as comunidades do Riacho Doce III e da Sharp e o bairro Armando Mendes. “Estávamos ponderando áreas rurais, mas ainda estamos em processo de fechamento de parcerias. O que realmente gostaríamos de colocar em prática nesta edição é a atividade de formação”, frisou Dheik.

Com o crescimento do evento itinerante, a mobilizadora espera conseguir parcerias. “Minha principal expectativa é conseguir mobilizar parceiros para que o tripé seja efetivado — exibição, formação e conversa —, visto que a proposta inicial é esta. Se pudermos desenvolver o projeto com parcerias que otimizem o desenvolvimento da nossa proposta, vamos estar bem felizes”.