Projetos de dança e cinema do Amazonas são contemplados em edital nacional

Durante coletiva de imprensa realizada na manhã desta segunda-feira (28), em São Paulo, o Itaú Cultural divulgou a lista de projetos selecionados do todo o País pelo programa ‘Rumos 2017-2018’

Bruno Mazieri

São Paulo – Dois projetos do Amazonas – sendo um de dança e outro de audiovisual – foram selecionados pelo Itaú Cultural dentro do edital ‘Rumos 2017-2018’, programa de fomento à produção artística e cultural. ‘Hip-Hop – A Parada Final’, de Wyllacym Miguel de Souze Maia e ‘Nïima’, de Flávia Abtibol, ambos do Estado, figuram entre os 109 projetos aprovados de todo o País.

O anúncio aconteceu na manhã desta segunda-feira (28) durante coletiva de imprensa realizada na sede do instituto, em São Paulo. (Foto: Bruno Mazieri/Divulgação)

O anúncio aconteceu na manhã desta segunda-feira (28) durante coletiva de imprensa realizada na sede do instituto, em São Paulo. Este ano, de acordo com Eduardo Saron, gerente do Itaú Cultural, foram mais de 12 mil projetos inscritos e analisados, em seu total de fases, por 61 profissionais especializados e serão investidos, nesta edição especificamente, R$ 15,5 milhões.

“São mais de 20 anos de programa, sendo o mais longínquo edital no campo da cultura. Significa podermos constituir séries históricas, podermos ter ações inclusive possam ser comparadas entre si”, salienta ele. Além de Saron, também participaram da coletiva Ana de Fátima Sousa, gerente de comunicação do instituto e Paula Gomes, membro da comissão de seleção.

Conforme anunciado em agosto de 2017, o programa passou por Manaus e outras nove cidades brasileiras, que tinham uma baixa adesão ao edital, com o ‘Itaú Escuta’ buscando fomentar a maior participação no ‘Rumos’. Na capital do Estado, por exemplo, segundo informações divulgadas pelo instituto, houveram 119 inscrições, ficando atrás somente do Pará que teve 264 inscritos e cinco projetos aprovados. No total, o Norte teve 594 inscritos e 13 selecionados.

“Víamos que haviam cidades com inscrições em menor número e nós fizemos um recorte, selecionamos dez Estados e fizemos um processo de abordagem completamente diferente dos outros Estados e muito mais diferente das edições anteriores. Ainda temos a clareza se isso reverberou entre as inscrições, nós vamos precisar de mais séries históricas para chegar a essa conclusão, mas já temos um indício que essa ‘escuta’ pode ter sido positiva para nós, pois pela primeira vez todos os Estados foram contemplados”, revela Saron.

Ana de Fátima Sousa, gerente de comunicação do Itaú Cultural, ressalta que uma das inovações deste edital foi a presença dos recursos de acessibilidade. “E tivemos 86 inscrições que utilizaram desses recursos e no resultado final, cinco projetos são de proponentes ou tratam da questão da acessibilidade”, diz ela

No que diz respeito aos projetos do Amazonas, ‘Hip-Hop – A Parada Final’ propõe intervenções cênicas sobre os elementos da cultura hip-hop nos terminais de ônibus das zonas norte e leste de Manaus.

Já ‘NÏima’ busca contar a história de índios da etnia Tikuna, moradores da tríplice fronteira (Brasil-Colômbia-Bolívia), que ousam desafiar a família, o Exército e a igreja para exercer seus desejos e suas identidades de gênero. Durante dois meses (junho e julho), eles animam as festividades religiosas por meio do canto e da dança e nos demais meses vivem subjugados pela família e comunidade.

Apesar dos dois selecionados, outro projeto impactará de forma direta o Estado. É o caso do ‘Palhaço Surddy’, que propõe a criação de um espetáculo teatral em Libras e protagonizado pelo ator surdo Igor Rocha. Oriundo de Pernambuco, o projeto visa estimular e especializar a prática de profissionais da arte surdos, por meio de sua linguagem primeira de expressão e passará pelo Amazonas, Maranhão e Pará

51 dos projetos do ‘Rumos 2017-2018’ foram propostos por mulheres e 21 selecionados não são de capitais.

*O jornalista viajou a convite do Itaú Cultural.