Sobre a gentileza de um gigante

De volta a Manaus, Erasmo Carlos conduz show no Dulcila, amanhã à noite, mas, ao PLUS, fala, ainda, da carreira, projetos e parcerias, além da cinebiografia que narrará sua trajetória artística

Mariah Brandt/redacao@diarioam.com.br

Intimista, a apresentação de Erasmo segue com ingressos à venda: R$ 150 (lugar à mesa), à venda na Loja Rommanel, do Amazonas Shopping (Foto: Divulgação)

Manaus – Erasmo Carlos volta a Manaus, nesta quinta-feira (24), com show no Ducila Festas, após uma temporada longe da capital amazonense. Dono de uma voz, estilo e biografia especialmente singulares, o ‘Tremendão’ sobe aos palcos do Brasil, há três anos, com a turnê ‘Gigante Gentil’, mesmo nome do álbum eleito o melhor de rock, em 2014, pelo Grammy Latino, superando trabalhos de Titãs, Charlie Brown Jr., O Rappa e Nando Reis.

Em entrevista ao PLUS, Erasmo conta que a inspiração para o álbum veio de comentários odiosos que recebia na internet. “Todo mundo é agredido na internet. As pessoas são maldosas e usam esse anonimato da coletividade como arma pra falarem o que quiserem e simplesmente agredir”, afirma o cantor e compositor, destacando que a gentileza, como deixa claro na música, é o melhor caminho para contornar esse tipo de situação.

Com mais de 34 álbuns de estúdio lançados, Erasmo teve em sua estrada parceiros de música e de vida, como Roberto Carlos, Tim Maia, Jorge Ben, João Gilberto, entre outros ícones brasileiros, e sua trajetória vai ser contada nas telonas, em breve. O filme ‘Minha Fama de Mau’, extraído do livro homônimo, terá, na versão para o cinema, o cantor sendo interpretado por Chay Suede. As gravações já foram finalizadas e a estreia deve acontecer no começo de 2018.

“O artista precisa estar conectado e eu não paro. Quando acaba um trabalho já invento logo outro. Com o Frejat fiz ‘10 Segundos’, que é a música tema do filme de mesmo nome, do diretor José Alvarenga Jr., que conta a história de Eder Jofre (boxeador)”, acrescenta Erasmo, referindo-se ao filme protagonizado por Daniel de Oliveira.

Trabalhos extras

Como o artista completo que é, o talento de Erasmo não se restringe à música. O ‘Tremendão’ estava longe do ofício de ator desde os anos 1980 e, em 2017, interpretou José, no novo filme de Monique Gardenberg, diretora de ‘Ó Pai Ó’. ‘Paraíso Perdido’ conta a história da baixa Augusta, onde Erasmo interpreta José, pai adotivo de Teylor, vivido pelo também cantor Seu Jorge.

As parcerias musicais também seguem intensas. A última, com Paulo Miklos (ex-Titãs), se chama ‘País Elétrico’ e será lançada no novo álbum do ex-Titãs, que logo deve estar nas plataformas digitais. Sua contemporânea na Jovem Guarda, Wanderleia, também está na lista das parcerias recentes, com a música ‘Menina da Felicidade’. A cantora de MPB, folk e indie Roberta Campos também tem parceria com o artista. “Essa ainda não tem nome. Ela me enviou a música e eu fiz a letra. Pedi pra ela escolher o título”, conta Erasmo.