‘Tacacá na Bossa’ abre nova temporada

Projeto do Tacacá da Gisela dá início a sua 13ª edição, no próximo dia 4, no Largo São Sebastião, Centro de Manaus. Cantor Higor Filho e banda Raízes Caboclas são os destaques

Gabriel Machado / redacao@diarioam.com.br

Manaus- O ano era 2005, logo após a revitalização do Centro Histórico de Manaus. Naquela época, o local foi tomado por uma vasta programação cultural, que incluía exposições, intervenções artísticas e shows musicais. No entanto, esta agenda cobria ‘somente’ seis dias da semana e, na maioria das vezes, a quarta-feira era esquecida como opção de lazer, na capital amazonense.

Foi exatamente nesta fresta que o proprietário do Tacacá da Gisela (Largo São Sebastião), Joaquim Melo, viu a oportunidade de criar algo novo, na cidade: o ‘Tacacá na Bossa’. E o projeto, que recebe, semanalmente, artistas locais para apresentações gratuitas, dá início a sua 13º edição, no próximo dia 4, a partir das 19h.

O projeto, que recebe, semanalmente, artistas locais para apresentações gratuitas, dá início a sua 13º edição. (Foto: Reprodução)
Para o primeiro show da temporada, que seguirá até o dia 12 de dezembro, o ‘Tacacá na Bossa’ receberá o cantor Higor Filho e a banda Raízes Caboclas. Além do duo, o mês de abril contará, ainda, com apresentações de Casa de Caba, Fátima Silva e Rafael Moraes & Grupo, entre outros músicos.

“Este ano, especialmente, só tem coisa boa. Vamos contar, também, com palco e jogo de iluminação”, disse Joaquim. “Ao longo do ano, teremos shows de Chico da Silva, Felicidade Suzy, Alaídenegão, Os Tucumanus e Cabocrioulo, além do especial que celebra o aniversário de Chico Buarque. É uma programação que agradará a todos os públicos”, acrescentou.

A preocupação com a plateia, inclusive, é um ponto que o projeto carrega consigo desde 2005. “Nós começamos o ‘Tacacá’ focando apenas no gênero Bossa Nova. Nossa primeira apresentação foi comandada por Paulinho Bossa Nova e pelo percussionista Camarron. Entretanto, com o tempo, o público, que era mais adulto, foi se espandindo, a ponto do projeto receber, também, muita gente mais nova”, relembrou Joaquim. “Estes jovens começaram a sugerir e a pedir outros tipos de música. Por conta disso, abrimos espaço para o samba e o reggae, por exemplo”, completou.

Receita para o sucesso

Com centenas de shows no currículo, o ‘Tacacá na Bossa’ se consolidou como um dos projetos de maior sucesso, no calendário cultural de Manaus. A receita para a longevidade da iniciativa, de acordo com Joaquim Melo, é a atenção especial dada não apenas ao seu público, mas, também, a seus artistas.

“A formação de plateia é algo bastante complicado. Começamos ‘devagar’, mas não desistimos da fórmula e passamos a repeti-la, em períodos certos. Funcionou, pois as pessoas foram se acostumando (e gostando) do ‘Tacacá”, destacou. “Outro aspecto importante é a proximidade que temos com os músicos que se apresentam, no projeto”, encerrou o idealizador.