Amazonino não pensa em reajuste salarial

Governador do Amazonas diz que Estado está numa situação “muito crítica, séria e grave”. E praticamente descarta reajuste salarial para servidores do Estado ao longo do ano de 2018

Manaus – O governador do Amazonas, Amazonino Mendes (PDT), declarou, nesta terça-feira (23), que ainda não pensa no reajuste salarial dos servidores do Estado. Mendes deu a declaração após a solenidade da abertura do ano judiciário e a posse de 22 novos juízes, no Tribunal de Justiça (TJAM), que vai permitir que todas as comarcas do Estado sejam preenchidas pela primeira vez na história.

TJAM fez a primeira reunião do ano e deu posse a novos juízes (Divulgação/TJAM)

Em um ano eleitoral, o governo já começa a sentir a pressão por reajustes salariais das categorias, no entanto, Amazonino Mendes manteve o discurso de “arrumar a casa” e disse que “no futuro tudo pode voltar ao normal”. “Isso é o que menos se pensa (reajuste). A nossa tarefa é consertar o que está quebrado. Todo mundo sabe disso, que está precisando de Saúde, Segurança e Educação. O Estado está numa situação muito crítica, séria e grave. Graças a Deus estamos percebendo com clareza que as coisas estão se recuperando e isso me dá alegria, prazer. Evidente que com as coisas arrumadas volta tudo ao seu lugar e vamos pensar em fazer esses reparos salariais, pois, todo mundo precisa. A gente está consciente disso. Mas o principal é ter em mente a recuperação do Estado”, disse.

Em relação às constantes mudanças em seu governo, Amazonino desconversou e disse que todo chefe do poder executivo deve ser maleável para mudanças. “Ai do governo que não muda e acha que é o dono da verdade e a verdade não existe. Não acontecem mudanças apenas por razões éticas. Às vezes, as pessoas não se adaptam e isso é natural”, afirmou.

O troca-troca de secretários vem dificultando as ações do governo e, para alguns parlamentares, como o deputado estadual Luiz Castro (Rede), Amazonino errou ao nomear secretários pré-candidatos a cargos eletivos na eleição deste ano, que estão deixando os cargos. “Eu nomeei pré-candidatos? Eu não entendo o que é isso e desconheço essa expressão. Eu sou político e não politiqueiro. Isso tudo é fofoca e vamos acabar com isso”, disse Amazonino.
A cerimônia de posse dos novos juízes, com a participação de autoridades públicas, assim como a primeira sessão do Tribunal de Justiça, aconteceu no auditório Desembargador Arthur Virgílio do Carmo Ribeiro, no Centro Administrativo do TJAM.

O presidente do TJAM, desembargador Flávio Pascarelli, destacou que, além de dar cumprimento à lei que determinou a ampliação do número de desembargadores que integram a Corte Estadual, reforçando a atuação da segunda instância, buscou adotar a mesma estratégia de fortalecer o trabalho na primeira instância, com o ingresso dos novos juízes.