Arthur Neto anuncia que vai se aposentar em 2020

“Concluirei este mandato, o derradeiro de minha vida, governando Manaus com uma dedicação extremada, que resumirá quatro décadas de amor. Até o último minuto de 2020”, disse o prefeito

Manaus – O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), afirmou, em postagem nas redes sociais da internet, que irá enfrentar injustiças de cabeça erguida e anunciou o afastamento de cargos públicos após completar o atual mandato. “Meu sentimento ordena que enfrente a injustiça, com a altivez que corruptos e arbitrários não conseguiriam ter: cabeça erguida, rumo ao combate necessário e saneador”, afirmou.

Segundo o prefeito, a partir de 2020, as ambições dele serão domesticadas. “Concluirei este mandato, o derradeiro de minha vida, governando Manaus com uma dedicação extremada, que resumirá quatro décadas de amor. Até o último minuto de 2020. E, definitivamente, não me candidatarei mais a qualquer outro posto. Permanecerei opinando, através de artigos, livros e palestras, sobre minha região e meu País. Mas deixo a política abjeta que aí está, à disposição dos profissionais da ‘sobrevivência’, dos torquemadas de plantão e dos hipócritas de quaisquer matizes. Sempre ansiando que o Brasil se reforme e se vá regenerando, para permitir a ascensão dos que virão livra-lo dos tipos ora citados. Minha cota se esgotou. Minhas ambições estão domesticadas”, escreveu.

Quanto a citações de seu  nome  nas delações na Odebrecht, Arthur nega. Ele disse que suspeita que o delator tenha ficado com o dinheiro que afirma ter repassado ao prefeito. “Após a surpresa inicial, cheguei a pensar que o Sr. (Cláudio) Melo pudesse mesmo ter embolsado essa quantia, quem sabe usando meu nome para driblar a contabilidade corrupta de sua empresa. Não me importam, aliás, os detalhes da sordidez. Importa, e muito, o fato de minha consciência estar, como sempre esteve, absolutamente tranquila”, cita.

Arthur disse que nunca teve relação com a Odebrecht e ainda que a empresa colocou um metro de asfalto, em Manaus. “Doze anos deputado federal! E não há registro de nenhum gesto meu que tenha beneficiado a Odebrecht e seus lobistas. Dirigente nacional do meu partido por três anos, líder e ministro do presidente Fernando Henrique por um quadriênio inteiro e intenso. E não existe quem aponte qualquer coisa que me possa ligar a interesses empresariais. Senador por oito anos, liderando uma oposição renhida, e numericamente poderosa, ao governo Lula. E não há quem ouse supor que, por palavras ou atos, ajudei a deformar medidas provisórias. Sou prefeito da sétima maior cidade do País pela terceira vez. E a Odebrecht, ao longo desse tempo, não plantou um único metro cúbico de asfalto em Manaus. Nenhuma relação. Absolutamente nenhum liame”, disse o prefeito.

 

Comentários via Facebook