Confiante, Eduardo Braga vota e diz que o Amazonas não tem tempo a perder

O candidato ao local de votação junto com o vice, Marcelo Ramos e destacou que a eleição é histórica devolve o poder de escolha aos eleitores

Gisele Rodrigues/ redacao@diarioam.com.br

Braga votou na Escola Municipal Eliana Lúcia Monteiro da Silva, no Santo Agostinho (Foto: Sandro Pereira)

Manaus – O candidato ao governo suplementar do Amazonas, Eduardo Braga (PMDB), chegou para votação às 9h, na escola Municipal Eliana Lúcia Monteiro da Silva, no Santo Agostinho, na zona oeste de Manaus. Confiante, Braga disse que, depois de seis governadores cassados no Estado, a eleição é histórica e devolve o poder de escolha aos eleitores.

“Os governantes vão entender que tudo tem limite, com o abuso uso da máquina pública. Conclamo os amazonenses a votarem, que a eleição está super rápida, são somente dois números”, disse o candidato.

Sobre o julgamento dos embargos que poderão devolver o mandato ao governador cassado José Melo (PROS), o senador afirmou que está acompanhando o processo com otimismo.

“Deverão ser julgados na segunda quinzena do mês de agosto, o próprio STF está confiante na eleição como laboratório sobre as novas leis para arrecadação na campanha”, afirmou.

O candidato chegou junto com o vice, Marcelo Ramos (PR). Criticado ao longo da campanha por se aliar com o senador, Ramos disse que o momento não é para vaidade.

“O momento é diferenciado porque estamos na maior crise do Estado. Crise na saúde, na segurança e não podemos esperar, a prioridade é o Amazonas e temos um plano emergencial para resolver isso”, informou.

Denúncias

Sobre as denúncias que estão surgindo ao longo da campanha, Braga afirmou que, com o uso dos aplicativos de mensagens como Whatsapp, todo eleitor pode ser um fiscal eleitoral.

O senador criticou o uso da máquina pública, que segundo ele, foi aplicado por outros candidatos durante o pleito.

“O governador (David Almeida) não pode exacerbar o uso da máquina pública, pressionando servidor público e demitindo em troca de voto. Ele pode ter candidato, mas isso não pode fazer”, disse.

Segundo o candidato, a equipe da coligação está recebendo as denúncias de irregularidades e encaminhando para o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM). Mas uma eleição ‘limpa’ está sendo aguardada pelos candidatos, segundo Braga.

“Já tivemos nesse pleito distribuição de rancho no interior, prefeitos pegos com grandes quantidades de dinheiro, que disseram que era tudo declarado, mas a Polícia Federal vai apurar”, afirmou.

Acompanhado da esposa e das filhas, Braga ainda vai acompanhar a votação da família e do vice Marcelo Ramos. Segundo ele, como faz em todas as disputas, a apuração será acompanhada em casa, junto com familiares e correligionários.