Governador Amazonino Mendes confirma obra da MCW, em vídeo

"A empresa escolhida, se ela tem negócios com o Estado, muitas empresas têm, mas esta é especialista neste tipo de muro”, diz o governador do Estado, dizendo que é honesto, sério e correto

Álisson Castro e Asafe augusto / redacao@diarioam.com.br

Manaus- O governador do Amazonas, Amazonino Mendes (PDT), divulgou em redes sociais, neste fim de semana, um vídeo em que confirma construção de um muro de arrimo no terreno da casa dele, às margens do Lago Tarumã, na zona oeste de Manaus, pela empresa MCW Construções. Ele também confirma que a empresa presta serviços ao governo do Estado e anuncia que está processando quem deu a informação, publicada pelos veículos da REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC). Até sexta-feira, o site do Tribunal de Justiça do Estado (TJAM) não informava o processo.

“A empresa escolhida, se ela tem negócios com o Estado, muitas empresas têm, mas esta é especialista neste tipo de muro. Então, eu não vejo nenhum problema que afete a confiança que você possa ter na minha dignidade e neste governo honesto, sério e correto que estou fazendo”, diz o governador, no vídeo.

Ele também confirma que a empresa presta serviços ao governo do Estado e anuncia que está processando quem deu a informação (Foto: Sandro Pereira)

A construção do muro, de aproximadamente cem metros na casa do governador, quando noticiada, estava sendo realizada por trabalhadores que utilizavam o uniforme da MCW. No local não havia placas de licenciamento de nenhum órgão estadual, municipal ou federal. A empresa recebeu, em 2017, R$ 20,1 milhões do governo do Estado, via Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), sendo R$ 9,6 milhões, ou cerca de 50%, após a posse de Amazonino, no dia 4 de outubro do ano passado, segundo dados do Portal da Transparência do Estado.

No vídeo, Amazonino diz: “Caros cidadãos e cidadãs. Quem lhes fala neste momento é o governador e peço a vocês que usem seu direito de cidadania com extremo rigor”. E segue: “Estão divulgando notícias duvidosas, incorretas, a propósito de um muro que eu faço em minha casa, na minha residência. Devo explicar o seguinte: é a minha obrigação explicar e vou fazê-lo. Primeiro, esta obra é decorrente de uma emergência, está desbarrancando, tenho que fazer este muro. Segundo, tenho contrato assinado, registrado em cartório, do ano passado, não é uma coisa que fiz agora e mandei registrar, não, com pagamento oneroso. Terceiro, a empresa escolhida, se ela tem negócios com o Estado, muitas empresas têm, mas esta é especialista neste tipo de muro. Então, eu não vejo nenhum problema que afete a confiança que você possa ter na minha dignidade e neste governo honesto, sério e correto que estou fazendo”.

O governador diz que procurou a Justiça contra a divulgação da informação sobre a construção do muro, que chamou, de novo, de ‘fake news’. “Não é vingança, nem irritação, mas um ato de correção, para que estas empresas e estas pessoas, que vivem fazendo ‘fake news’ – que está tão em moda hoje -, com a proximidade da eleição, a gente sabe que vai ficar exposto e eles confundido a cabeça de vocês. Espero que a Justiça seja rigorosa. É isto aí, nada a temer. Sei separar o privado do público. É isto aí. Um abraço e muito obrigado”, diz.

Não é a primeira manifestação de Amazonino sobre a construção do muro na casa dele, no último dia 29, dois dias após a publicação da reportagem, o governador publicou um vídeo de 1:35 minuto, também em redes sociais do governo, chamando a notícia de “fake news” para “baratinar a cabeça das pessoas”. Disse que o muro era a continuidade de uma “coisa antiga”, que tinha “contrato assinado em cartório” e que tudo não passava de “maledicências”.

No primeiro vídeo e no que publicou na última sexta-feira, ele não mostrou o contrato. Ele também não se dispõe a dar entrevistas sobre o assunto. E não respondeu às perguntas apresentadas pela reportagem, enviadas à Secretaria de Estado de Comunicação, tais como o preço da obra e quem está pagando por ela.