Maus Caminhos: empresário Mouhamad Moustafá deve depor em setembro

Os interrogatórios têm previsão para iniciar às 14h do dia 1º de setembro

Da Redação/redacao@diarioam.com.br

Em interrogatórios anteriores, a linha de defesa do médico e da enfermeira tem sido negar que as verbas utilizadas para pagar as empresas que prestavam serviços ao governo do Estado eram estaduais (Foto: Eraldo Lopes)

Manaus – A juíza da 4ª Vara Federal no Amazonas, Ana Paula Serizawa Silva Podedworny, publicou despacho determinando que o médico Mouhamad Moustafá e a advogada Priscila Marcolino, acusados de comandar um esquema criminoso que, segundo o Ministério Público Federal (MPF), desviou mais de R$ 100 milhões do Estado, irão depor em 1º de setembro à Justiça Federal em uma ação penal movida pelo MPF no âmbito na operação Maus Caminhos.

Os interrogatórios têm previsão para iniciar às 14h do dia 1º. Em interrogatórios anteriores, a linha de defesa do médico e da enfermeira tem sido negar que as verbas utilizadas para pagar as empresas que prestavam serviços ao governo do Estado eram estaduais. Outro argumento utilizado pelos advogados tem sido o de que o Instituto Novos Caminhos (INC) prestava um bom serviço nas unidades de saúde que administravam.

No entanto, o Ministério Público de Contas ingressou, na segunda-feira (3), com uma representação junto ao Tribunal de Contas do Amazonas (TCE) pedindo que o Tribunal “antecipe a produção de provas, consistente na inspeção e laudo técnico” nas contas da Secretaria de Estado da Saúde (Susam) para apurar possível ocultação, desvio e destinação irregular de receitas federais e estaduais às empresas envolvidas na operação Maus Caminhos”.