Melo ainda não conseguiu dinheiro para fiança, diz advogado

Justiça determinou que o ex-governador e a ex-primeira dama, Edilene Oliveira, paguem fiança no valor de R$ 190,8 mil, cada, para serem liberados para cumprirem prisão domiciliar

Stephane Simões / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A liberação do ex-governador cassado, José Melo, e da mulher dele, a ex-primeira dama Edilene Oliveira, segue sem previsão. Segundo o advogado de defesa de Melo, José Carlos Cavalcanti, o motivo seria a falta de recursos financeiros para pagar o valor pedido pela Justiça. Melo e Edilene cumprem prisão provisória, desde o fim do ano passado, por denúncia de envolvimento em uma organização acusada de desvios de recursos públicos da Saúde do Amazonas.

Melo e Edilene cumprem prisão provisória, desde o fim do ano passado (Foto: Reprodução)

 

“Ele só vai ser liberado se a Justiça entender, lá em Brasília, que não precisa pagar fiança ou se reduzir a fiança, para que tenha condições de pagar. Enquanto ele não tiver o valor para pagar, e permanecendo esse mesmo entendimento, ele vai continuar preso. Não há previsão para ele sair”, afirmou Cavalcanti à REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC).

De acordo com o advogado, Melo e a mulher seriam liberados nesta quarta-feira (18). Caso ganhem liberdade, os dois terão que usar tornozeleira eletrônica. Cada um terá que pagar fiança afixada em 200 salários mínimos, o equivalente a R$ 190,8 mil, para conseguir a liberação. A decisão de libertar Melo e Edilene foi definida pela 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).

Cavalcanti afirmou que a reação de Melo, ao saber o valor estipulado para pagamento da fiança, foi de surpresa e indignação. “Ele entende ser inocente e ele não acha que é legítima a imposição de um valor dessa grandeza para que ele exerça um direito dele, que é o direito de liberdade”, disse o advogado.

A defesa informou, ainda, que irá recorrer do valor estipulado pela Justiça. “O acórdão não foi publicado. Sem publicação, não há como recorrer. A previsão da publicação é para hoje e amanhã (quinta-feira e sexta-feira, dia 20”, acrescentou.

Sobre a liberação da mulher de Melo, Cavalcanti afirmou que, por uma decisão de Edilene, ele não faz mais a defesa da ex-primeira dama. “Eu não defendo mais a dona Edilene no 1º grau. Foi uma decisão dela mudar de advogado. A família me colocou (informou) que está tendo dificuldade para angariar valores, mas não houve revogação na liberação da soltura”, ressaltou.

Debilitado

Segundo o advogado de defesa, Melo está abatido e com sintomas de depressão. “Nós pedimos uma avaliação médica, a juíza autorizou. A avaliação foi feita e nós estamos aguardando o resultado que vai ser informado para a Justiça”, afirmou Cavalcanti.