MP-AM envia reforço de sete promotores a Coari

Novos promotores irão atuar em Coari sob a coordenação do promotor de Justiça Weslei Machado. Na cidade, tramitam ações de improbidade administrativa envolvendo o prefeito Adail Filho

Álisson Castro

Manaus – O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) criou duas forças-tarefas e irá reforçar o trabalho do órgão em Coari, com uma equipe maior de promotores de Justiça que irão atuar sobre a coordenação do promotor Weslei Machado. Serão mais sete membros do MP-AM atuando no município, desde a última segunda-feira (9).

Weslei Machado já ingressou com sete pedidos de afastamento do prefeito de Coari, Adail Filho, por, segundo o promotor, irregularidades cometidas no âmbito da administração municipal. Por causa das denúncias, o prefeito acusou o promotor de perseguição a sua gestão.

Atualmente, o prefeito de Coari, Adail Filho, está sob risco de ser afastado por omitir informações ao Ministério Público (Foto: Divulgação)

Entre as denúncias encaminhadas à justiça estadual contra o prefeito está a realização de acordos extrajudiciais milionários, ‘de fachada’, em ações de débitos com empresas na Justiça sem critério para a escolha do credor que receberia as propostas.

As portarias que criam as forças-tarefas são assinadas pelo procurador-geral de Justiça, por substituição, Pedro Bezerra Filho, e foram publicadas no Diário Oficial do MP-AM no último dia 5. Na portaria 1.785 de 2018 é determinado que os promotores George Pestana Vieira, Marina Campos Maciel e Roberto Nogueira constituam grupo de trabalho “objetivando auxiliar na regularização do acervo processual da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Coari”.

Na outra portaria, de número 1.786 de 2018, é estabelecido que os promotores José Augusto Palheta Taveira Júnior, Leonardo Tupinambá do Valle, Sarah Clarissa Cruz Leão e Armando Gurgel Maia constituem grupo de trabalho para atuar nos feitos judiciais e extrajudiciais das 1ª e 2ª Promotorias de Justiça da Comarca de Coari.

Atualmente, o prefeito de Coari está sob risco de ser afastado caso não apresente informações solicitadas pelo MP-AM. No último dia 2, o juiz da 2ª Vara da Comarca do município, André Luiz Muquy, deu prazo de 20 dias para Adail apresentar todos os documentos que foram solicitados pelo MP-AM para a abertura de ações extrajudiciais contra a administração municipal.

“Desta forma, concedo o prazo de 20 dias para que o réu Adail José Figueiredo Pinheiro, na qualidade de prefeito do município de Coari, apresente as respostas ao Ofícios e Requisições Ministeriais contidos na petição inicial dos presentes autos, ou, apresente justificação razoável para o seu não cumprimento, sob pena de extrapolado tal prazo, estar caracterizada a necessidade do afastamento temporário da função de prefeito da municipalidade”, diz um trecho do despacho.

Assista sobre o assunto:

MPE envia força-tarefa para atuar no caso do prefeito de Coari

MPE envia força-tarefa para atuar no caso do prefeito de Coari

Posted by D24am on Tuesday, July 10, 2018