Na Câmara Municipal, 24 dos 41 vereadores pertencem a partidos coligados ao PSDB

Por Geraldo Farias


Manaus – A base aliada do prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), segue como maioria na Câmara Municipal de Manaus (CMM), após o fechamento das convenções partidárias visando às eleições municipais deste ano, com 24 dos 41 vereadores da Casa pertencendo a partidos que compõem a coligação ‘Somos uma só Manaus’, de apoio à candidatura à reeleição, formada por PP, PRP, PSL, PHS, PTB, PPL, PPS, PTN e PV, 11 no total, segundo informações do PSDB.

Com a nova composição política definida em torno dos arcos de aliança entre os partidos que firmaram coligações, a base do prefeito na CMM que era formada por 37 vereadores passou para 24. Dez parlamentares são de partidos que apoiam a pré-candidatura de Marcelo Ramos, três de legendas que coligaram com o PT pela candidatura do deputado estadual José Ricardo (PT), dois pertencem a partidos que apoiam a pré-candidatura do deputado federal Silas Câmara (PRB), um de legenda que apoia a pré-candidatura do deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) e um é filiado a partido que coligou com o PDT pela candidatura do deputado federal Hissa Abrahão (PDT).

Na quinta-feira passada, o prefeito Arthur Neto anunciou aliança com o PMDB e confirmou o deputado federal Marcos Rotta (PMDB) como seu candidato a vice. A nova aliança política levou os líderes do PSD, PROS e DEM a não apoiar a candidatura de Arthur à reeleição. Com essa decisão, dez vereadores do PSD, PROS e DEM deixaram de fazer parte da base do prefeito, na CMM. Esses partidos coligaram com o PR pela candidatura do ex-deputado estadual Marcelo Ramos (PR).

O vereador Hiram Nicolau (PSD) disse que, na CMM, se manterá como aliado do prefeito Arthur Neto, mesmo com o partido tendo coligado com PR. “Não tem como eu ser incoerente, após três anos e meio defendendo o prefeito Arthur aqui dentro”, frisou Nicolau. Hiram afirmou, ainda, que conversará com sua família para decidir como será sua posição na campanha eleitoral. O vereador Roberto Sabino (PROS) disse que não esperava a aliança do PSDB com o PMDB. “Fomos pegos de surpresa. Eu não posso fazer oposição ao Arthur depois de três anos e meio sendo base”, explicou.

A vereadora Therezinha Ruiz (DEM) explicou que a nova posição do partido não interfere no trabalho dela na Câmara Municipal. “Vamos manter nossa atenção ao que é bom para Manaus e para a população. O DEM nos deixa livre e não vai interferir no nosso trabalho. Não há nenhuma orientação para sermos oposição ao Arthur”, disse Ruiz.

O vereador Elias Emanuel (PSDB), líder do governo na CMM, avalia o rompimento do PROS, PSD e DEM com a base aliada de Arthur como natural. “Esse é um realinhamento natural, se formos olhar para a base do projeto nacional. A base do prefeito continua muito boa”, salientou. O vereador Reizo Castelo Branco (PTB), que apoia Arthur, disse que o fato de Arthur conseguir manter a maioria na CMM é “ótimo para o prefeito”.

O vereador Marcelo Serafim (PSB), que apoia a candidatura do pai dele, o deputado estadual Serafim Corrêa à Prefeitura de Manaus, disse que espera que a briga na base aliada do prefeito não seja transferida para o parlamento. “Espero que a Câmara tenha a maturidade em não discutir o que não nos diz respeito”, frisou.

O presidente da CMM, vereador Wilker Barreto (PHS), reafirma que seu trabalho nessa situação é manter os trabalhos na Câmara. “O meu papel é manter os trabalhos com a manutenção do quórum, sem ‘recesso branco’. É difícil não transferir essas discussões para o parlamento, mas todos devem estar atentos ao que podem e ao que não podem dizer”, ressaltou.