Orsine é exonerado do cargo de presidente da Amazonastur

Além dele, o diretor de marketing da instituição, Nickolas Santos Cabral dos Anjos, foi exonerado do cargo de confiança

Gisele Rodrigues / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Orsine Oliveira Júnior foi exonerado do cargo de presidente da Empresa Estadual de Turismo (Amazonastur). A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado de Comunicação (Secom). Nesta semana, o aluguel de embarcações para a Casa Militar, feitao sem licitação, com o tio de Orsine, foi destaque na imprensa. Apenas em neste ano, a empresa Iomar C. de Oliveira recebeu R$ 2,8 milhões pelo Governo do Estado.

Orsine Oliveira foi exonerado do cargo de presidente da Amazonastur (Foto: Divulgação)

Nickolas Santos Cabral dos Anjos foi exonerado do cargo de confiança de Diretor de Marketing e assumirá o lugar de Orsine na Amazonastur. Ambos os decretos foram publicados no Diário Oficial do Estado (DOE), com data de 31 de julho e publicação do dia 1º de agosto.

Nesta semana, reportagem mostrou que, no Portal da Transparência do Amazonas, constavam os pagamentos de um processo indenizatório de despesas com serviços de locação de embarcação com 35 metros de comprimento denominada ‘Iana II’. O pagamento se refere ao programa de transporte e segurança de autoridades cuja natureza dispensa licitação.

Em 2018, a Casa Militar da gestão Amazonino Mendes publicou seis extratos de termos de ajuste de contas para “liquidação de valor devido, relativo ao pagamento de reconhecimento de dívida de locação de embarcação”, referentes aos meses de novembro e dezembro de 2017, além de janeiro, fevereiro, março e maio deste ano.

A empresa Iomar C. de Oliveira foi fundada em 1980 e tem como atividade econômica principal o comércio varejista de artigos fotográficos e para imagem. Os pagamentos feitos à empresa do tio do diretor-presidente da Amazonastur variam de R$ 189 mil a R$ 355 mil.

O governo Amazonino Mendes gastou R$ 1,6 milhão com ‘mimos’ aos convidados e servidores do Estado em Parintins, durante o Festival Folclórico deste ano. Entre os agrados, estão gastos de R$ 270 mil com petiscos ‘gourmet’ para os comensais no camarote dos convidados nacionais e internacionais. Para servir as finas iguarias no camarote oficial do governo, a Amazonastur contratou, sem licitação, empresas de bufê pelo valor de R$ 135 mil, cada.

A reportagem tentou contato com o ex-presidente, mas Orsine não atendeu as ligações. A Secretaria de Comunicação do governo (Secom) foi questionada sobre o motivo das exonerações e sobre o nome do substituto de Orsine na Amazonastur. O governo informou que não vai se pronunciar sobre o assunto.