Parlamentares fazem críticas a atuação de Givancir e cobram apuração de fatos

Deputados e vereadores se manifestaram sobre a atuação do sindicalista por desobedecer ordens da Justiça Trabalhista e em relação aos registros feitos contra ele, conforme os boletins policiais

Asafe Augusto

Manaus – Parlamentares da Câmara Municipal de Manaus (CMM) e da Assembleia Legislativa do Estado (ALE) repercutiram, nesta quinta-feira, as mais de dez ocorrências policiais registradas contra o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM), Givancir Oliveira.

REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) apurou que o líder dos rodoviários coleciona 12 Boletins de Ocorrências (BOs), desde 2012, sendo acusado na polícia de bater na mulher, desacato, de agressão contra um idoso, ameaça e injúria entre outros delitos. Além de ser suspeito de coagir, ameaçar e ser mandante de agressões de testemunhas em ações trabalhistas, e acusações de atentado violento à liberdade da associação, e corrupção eleitoral. O sindicalista disse que não há processo contra ele no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM).

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM), Givancir Oliveira (Foto: Pablo Trindade)

O presidente da CMM, vereador Wilker Barreto (PHS), disse que, na próxima segunda-feira (11), a Procuradoria da Casa vai acionar na Justiça trabalhista e na comum, uma cobrança de providências pós-crise. “Ninguém comete um delito e acha que no dia seguinte estará tudo resolvido. Nós tivemos problemas na cidade, isso porque nem podemos mensurar quantas entrevistas de emprego foram perdidas, quantas consultas médicas foram remarcadas. A Câmara não vai deixar passar impune”, disse.

O vereador disse que, na próxima semana, por meio da Comissão de Transportes, vai convocar o Sindicato das Empresas de Transporte em Manaus (Sinetram) para cobrar renovação de frota, higienização dos ônibus e outras melhorias.

O líder do prefeito na CMM, vereador Joelson Silva (PSDB), entende que a Justiça deve agir com rigor contra o líder do sindicato. “Tem que se apurar as responsabilidades de quem quer que seja”.

O vereador Wallace Oliveira (Podemos) disse que não compete a ele julgar os atos do presidente do Sindicato dos Rodoviários, praticados no dia a dia e durante as paralisações, mas afirmou que os mecanismos da Justiça precisam ser respeitados. “Se ele (Givancir) deve à Justiça, a Justiça tem que cobrar“. Eu não faço esse julgamento. Se o Givancir tiver algo, ele vai responder”, pontuou.

Na Assembleia Legislativa, o deputado Sabá Reis (PR) disse que casos como o de Givancir causam preocupação. “Todos nós sabemos que, às vezes, as questões no Judiciário se dão de forma lenta e não acompanham muito a necessidade e preocupação das pessoas. Ainda sim temos que acreditar”, disse.

Para o deputado Serafim Corrêa (PSB), Givancir age com excessos, mas defendeu a necessidade de aplicar o devido processo legal. “Ele (Givancir) tem o direito ao contraditório e ampla defesa e aguardando o julgamento, mas ele tem abusado da autoridade da Justiça desnecessariamente, até com agressividade”, afirmou.

O vereador Jaildo dos Rodoviários (PCdoB), irmão de Givancir, não atendeu os telefonemas até o fechamento desta matéria.