Próxima eleição no Amazonas será toda com biometria

O cadastramento já foi retomado após a eleição deste ano. Em outubro, o Estado registrava 2.428.098, sendo 2.040.998 com biometria e 387.100 sem o registro biométrico no TRE

Álisson Castro / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Em 2020, todos os eleitores do Amazonas irão votar por meio do reconhecimento biométrico, segundo o secretário de Tecnologia e Informação do TRE, Rodrigo Camilo. O cadastramento já foi retomado após a eleição deste ano. Em outubro, o Estado registrava 2.428.098, sendo 2.040.998 com biometria e 387.100 sem o registro biométrico no Tribunal.

De acordo com Camilo, a coleta da biometria dos eleitores já acontece pelos serviços do Tribunal em todos os municípios do Amazonas desde novembro de 2016 após a realização da eleição suplementar. Na prática, todo eleitor que procurava os serviços eleitorais fazia a coleta biométrica.

“O que vamos fazer agora são revisões eleitorais que obrigam os eleitores a comparecer aos cartórios. Já temos uma previsão, um planejamento para fazer, de forma obrigatória, nos 52 municípios, onde ainda não houve a coleta da biometria de todos os eleitores, de tal forma que, nas eleições de 2020, todo o Amazonas e, não apenas os dez municípios, tenham a identificação do eleitor da urna eletrônica por meio da biometria”, afirmou o secretário.

Segundo Camilo, o planejamento é discutido, diretamente, com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para decidir o calendário das coletas. “Com esta definição, os eleitores que não comparecerem nas datas estipuladas podem ter seus títulos eleitorais cancelados. A exemplo de Manaus e nos outros nove municípios pelos quais já passaram por este processo”, disse.

Próxima eleição no Amazonas será toda com biometria (Foto: Elza Fiúza/ABr)

Comunicação

Camilo informou que outra novidade já pensando a eleição de 2020 é melhoria da comunicação. “Estamos fortalecendo por meio da aquisição de equipamentos para melhorar a comunicação com cartórios do interior do Estado. O objetivo não é somente melhorar o atendimento ao eleitor, mas, por conta da informatização porque será levado, ao interior, o Processo Judicial Eletrônico (PJE). Hoje em dia, em Manaus, os processos já tramitam todos em meio virtual. Não é nem digitalizado, já nascem virtuais, a intenção é levar, em uma planejamento da gestão do desembargador João Simões, para os demais, 61 municípios”, disse.

De acordo com Camilo, a informatização das comarcas do interior visam às próximas eleições, em que serão escolhidos os próximos vereadores e prefeitos dos municípios. “O processo de aquisição dos equipamentos já está em curso, mas a implantação do sistema em si depende do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)”, disse.

O TSE já foi informado pelo Tribunal sobre o problema de comunicação nas cidades distantes da capital. “Eles já sabem que o desafio com o interior é bem diferenciado, enquanto outros Estados têm fibra ótica no interior, a gente tem que se virar com conexão via satélite. Estes equipamentos que estão sendo adquiridos visam otimizar esta comunicação por meio de transmissão via satélite e de alguns provedores de internet locais, onde houver provedores disponíveis. Por exemplo, em Japurá não tem outra opção, além de satélites e, estes equipamentos, visam melhorar este tipo de comunicação”, frisou.

Fala de destaque

“Já temos uma previsão, um planejamento para fazer, de forma obrigatória, nos 52 municípios, onde ainda não houve a coleta da biometria de todos os eleitores, de tal forma que, nas eleições de 2020, todo o Amazonas e, não apenas os dez municípios, tenham a identificação do eleitor da urna eletrônica”, disse Rodrigo Camilo, secretário de Tecnologia e Informação do TRE.