Sidney Cabral quer criar Lei de Responsabilidade Social, ao invés de Fiscal

Candidato ao Governo do Amazonas foi o terceiro entrevistado na série do DEZ NA TV, nesta segunda-feira. Para ele, a Lei de Responsabilidade Fiscal 'engessa' os recursos

Asafe Augusto

Manaus – Afirmando ser contra a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), e defendendo a estatização dos serviços no Amazonas, o candidato ao governo pelo PSTU, Sidney Cabral, foi o terceiro a ser entrevistado na série do DEZ NA TV, da REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC). Nesta segunda-feira (20), ele disse que tem um projeto alternativo para governar.

Sidney Cabral é candidato ao Governo do Amazonas (Foto: Eraldo Lopes)

De acordo com Cabral, a LRF limita os investimentos para os trabalhadores que pagam impostos e, segundo ele, deveriam ter os recursos investidos sem nenhuma limitação. Para o candidato, o que deveria ser feito era a Lei de Responsabilidade Social. “Somos contra a lei de responsabilidade fiscal que engessa os recursos. Era melhor criar uma lei de responsabilidade social”, disse.

Sidney Cabral afirmou que é um dos fundadores do PSTU, e, desde 1994, defende políticas para a classe trabalhadora ter uma vida melhor.

Ele afirmou que entende que a violência não é uma situação exclusiva do Amazonas, mas precisa ser combatida de forma diferente. “A violência não é combatida só com policiais nas ruas. Precisamos de mecanismos para combater isso. A geração de empregos pode combater a falta de segurança. Precisamos mudar a ótica. Já se passaram vários governantes e nada mudou, vamos mudar essa situação ruim com mais recursos gerando empregos. Muitos jovens estão no crime pela falta de emprego”, ponderou.

O candidato disse que, se for eleito, vai governar de forma diferente do que está sendo feito no atual cenário político, criando conselhos com a participação da população. “Vamos governar através de conselhos populares com juventude, trabalhadores e população. Vamos discutir com eles a geração de empregos. A sociedade deve participar da discussão”, disse, ao ressaltar que vai propor à população ‘fazer uma rebelião’ contra o atual cenário.

De acordo com o candidato, o sistema educacional precisa ser revisto. “Temos que entender o que está sendo colocado como reforma educacional. Não se pode priorizar português e matemática. Os alunos se formam sem perspectiva. Precisamos dar condições para os filhos de trabalhadores terem condições de lutar no mercado”, afirmou.

Na economia, Sidney defendeu a criação de um Banco do Estado, totalmente estatal para, segundo ele, ajudar no projeto de geração de empregos.

Cabral também afirmou que pretende planejar o Estado na ótica dele, rompendo com a atual estrutura, dando condições para filhos de trabalhadores estudarem na capital ou até mesmo ter polos de universidade pública no interior. “A população vai discutir e apresentar as necessidades nos conselhos de governança. Nosso governo é com os trabalhadores e para os trabalhadores”, comentou, ao criticar a falta de planejamento para atender os municípios.

Ele falou, ainda, em planejar no interior a produção e o escoamento com a criação de modais. “Manicoré é um dos maiores produtores de melancia, mas elas não chegam à Manaus. Temos que criar mecanismo para melhorar o escoamento”, afirmou.

O candidato disse que pretende estatizar o sistema fluvial do Amazonas para, de acordo com ele, atender os trabalhadores e não à iniciativa privada. “Vamos fazer diferente. Nesse país, quem paga manda. Nós precisamos mudar essa estrutura para beneficiar os trabalhadores”, comentou.

Ele concluiu afirmando que vai discutir com os conselhos, a questão da saúde. “Precisamos dotar o interior com polos para atender as necessidades”, concluiu.

A próxima entrevista está programada para terça-feira (21), e o entrevistado será o candidato David Almeida (PSB), da coligação ‘Renova Amazonas’ e, na quarta-feira, o candidato Amazonino Mendes (PDT), da coligação ‘Eu Voto no Amazonas’.

A série para o programa DEZ NA TV também vai entrevistar, no próximo dia 23, o candidato Omar Aziz (PSD), da coligação ‘Amazonas com Segurança’. Já candidata Lúcia Antony (PCdoB), da coligação ‘O Povo Feliz de Novo’, cujo registro foi feito nos últimos minutos para o prazo determinado pela legislação eleitoral, também será convidada a participar do programa.