Sob pressão, Assembleia adia votação do projeto que aumenta impostos no Estado

Foto: Alberto César Araújo/ Aleam

Da Redação / portal@d24am.com

Manaus – Sob forte pressão da sociedade, a base governista da Assembleia Legislativa do Estado (ALE) pediu o adiamento da votação do projeto de lei encaminhado pelo governador José Melo (PROS), que aumenta em 2% a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços  (ICMS) em diversos produtos, entre eles a gasolina e o óleo diesel.

O PL seria votado ontem, mas metade dos deputados ia votar contra. No último dia 15, os empresários estiveram na ALE para fazer pressão contra o projeto. A maioria deles falou em desemprego e fechamento de empresas, caso o projeto seja aprovado.

Para o coordenador da Câmara dos Dirigentes Lojistas Jovens de Manaus (CDL-J), Erick Bandeira, o adiamento não foi uma vitória, mas, sim, um tempo a mais para a busca de novas alternativas e discussões.

“Toda a sociedade ainda está preocupada com esse projeto. Se isso for aprovado, os preços vão aumentar, o consumo vai diminuir e o desemprego vai crescer. O Amazonas já tem a segunda maior taxa de desemprego do Brasil e o governo não pode trabalhar para ser o primeiro nesse quesito”, disse Bandeira.

O líder do governo, deputado Sabá Reis (PR), se pronunciou em plenário dizendo que por ele “o projeto passa do jeito que está, sem modificações”.

Os parlamentares da oposição  consideram o adiamento uma manobra para que o governo não perca na votação e o projeto não seja derrubado. Nove deputados afirmaram que vão votar contra o projeto: Alessandra Campêlo (PMDB), Vicente Lopes (PMDB), Wanderley Dallas (PMDB), Augusto Ferraz (DEM), Bosco Saraiva (PSDB), José Ricardo (PT), Luiz Castro (Rede), Dermilson Chagas (PEN) e Serafim Corrêa (PSB).

Os deputados de base governistas que, ontem, deram sinais de voto contrário ao projeto, e declinariam após pressão dos empresários, foram Adjuto Afonso (PDT), Orlando Cidade (PTN) e Dr. Gomes (PSD). Seriam 12 votos contra a PL do aumento de impostos e isso derrubaria a matéria.