TRE investiu R$ 8,5 milhões para a eleição suplementar no Estado

"Haverá ainda uma perda para o erário porque o que está empenhado a gente tem que pagar”, afirmou o diretor-geral do TRE-AM, Messias Andrade

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Segundo Andrade, todos os atos relativos à campanha foram suspensos quando o TRE recebeu a comunicação do STF sobre a suspensão da eleição (Foto: Asafe Augusto)

Manaus – O diretor-geral do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), Messias Andrade, informou que  já foram investidos R$ 8,5 milhões na organização da eleição direta suplementar para a escolha do novo governador do Estado, determinada pela Justiça Eleitoral após a cassação do ex-governador José Melo (PROS), por compra de votos, e  suspensa por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski.

“Quanto a dinheiro já empregado, R$ 2,5 milhões já foram pagos, R$ 3,5 milhões estão empenhados e mais R$ 2,5 milhões para empenhar, são quase R$ 9 milhões. Todos foram para contratações de serviço com produto, material”, disse Messias Andrade. Segundo ele,  esses recursos que não podem mais retornar aos cofres públicos.

“Teve prejuízo financeiro, para os servidores do TRE que deixaram de estar com seus familiares, para a dedicação exclusiva aqui quase 12 horas por dia, prejuízo para a biometria e prejuízo para a imagem da Justiça Eleitoral do Amazonas também, porque se decide uma eleição, depois suspende a eleição. Haverá ainda uma perda para o erário porque o que está empenhado a gente tem que pagar”, afirmou.

Mesmo se a suspensão for revertida, outro problema citado pelo diretor é se o TRE terá tempo para fazer a eleição. “Uma coisa é que tem que ver é que haverá tempo hábil para se fazer a eleição ainda em 6 de agosto, porque todas as contratações já estavam, praticamente, fechadas para esta data. Agora só podemos aguardar a decisão final e, caso não haja mais eleições, iremos  nos concentrar no cadastramento biométrico no interior do Estado. Outro problema é que já comprometeu a biometria também. Então, vamos só cumprir tabela, porque não dá mais para fazer toda biometria no Estado e vamos fazer o máximo que der para fazer”, disse.

Segundo Andrade, todos os atos relativos à campanha foram suspensos quando o TRE recebeu a comunicação do STF sobre a suspensão da eleição. Pelo menos até o tema ser apreciado pelo plenário do STF, deve ficar suspensa a nova eleição no Amazonas, que teve nove candidatos inscritos.