Arte local na próxima novela das 21h

Bruno Mazieri / plus@diarioam.com.br

Manaus – Depois do sucesso da minissérie ‘Dois Irmãos’ — obra adaptada do escritor amazonense Milton Hatoum —, a Região Norte volta a ocupar espaço de destaque na televisão brasileira, desta vez, na próxima novela das 21h, ‘A Força do Querer’, escrita por Glória Perez.

Gravado no Pará e no Amazonas, o folhetim contará com uma série de produtos criados e adquiridos no Estado, pela produtora de arte da Rede Globo, Mirica Vianna, e irão compor cenários utilizados por Rita e Zeca, personagens dos atores Ísis Valverde e Marco Pigossi, respectivamente.

“Compramos muitas coisas para usarmos nos cenários das gravações da novela, no Rio de Janeiro. Entre as aquisições estão bandejas de machetaria, cestas de tamanhos diversos e confeccionados a partir da piaçava, jogos americanos e porta-copos que têm como matéria-prima o açaí, arco e flecha… Enfim, uma série de objetos decorativos criados no Amazonas e que farão parte de escritório, casa e restaurantes”, revela Mirica.

Entre os lugares visitados pela produtora de arte para comprar o material, estão a Galeria Amazônia (Largo São Sebastião), o Mercado Municipal Adolpho Lisboa (Centro) e a Cooperativa Amazonense de Artesanato – Coopmart, do Projeto ‘Brasil Original – Amazonas’ (Shopping Ponta Negra).

Além disso, outro ‘objeto’, um tanto quanto inusitado, foi mandado para o Projac. “Uma cena, especificamente, começa em Manaus, mas a direção quis terminá-la no Rio de Janeiro. Por isso, precisamos comprar um barco (voadeira) de madeira de, aproximadamente, dez metros. Ou seja, usamos um no Amazonas, alugado, e compramos um para a gravação do Rio, ambos idênticos. Ele foi transportado para Belém e depois para a capital carioca”, explica a profissional.

E se engana quem pensa que as aquisições param por aí. Uma série de produtos de madeira, para cozinha, também foram encomendados pela produção da novela. Colheres de pau, cuias de tacacá e suportes. “Confesso que acabei comprando cestas para colocar na minha casa. Seis. Nem sei o que vou fazer com tudo isso”, brinca.

Porém, Mirica não poupou críticas quanto a quantidade de livros que retratam a fauna e a flora amazônicas. “Infelizmente, enfrentamos muita dificuldade para encontrarmos obras que mostrassem as plantas, os animais e, até mesmo, as tribos indígenas. E os que encontramos foram pequenos e em pouca quantidade. Não encontrei um livro de arte que pudéssemos usar na cenografia”, salienta.

Porém, um ponto elogiado pela profissional foi com relação as bijuterias e joias produzidas no Amazonas. “No mercado municipal, foi possível encontrar brincos e anéis produzidos com caroço de tucumã e outras matérias-primas. Quando se precisa de algo com ouro e prata, é algo mais complicado. Mas, no Rio de Janeiro, temos uma loja maravilhosa da Maria Oiticica, onde se encontra peças lindas e que fazem toda a diferença. Mas penso que Maria deveria ter uma loja, em Manaus. Suas criações são maravilhosas. Inclusive meu chaveiro é o Morro da Urca com madeira e jarina”, revela.

Familiaridade

Mirica Vianna é uma frequentadora ‘assídua’ do Norte. Ela já esteve na região para a gravação de ‘Amor Eterno Amor’ (2012) e ‘Amazônia, de Galvez a Chico Mendes’ (2007). “Nos dois casos foram trabalhos maravilhosos. Apesar disso, ainda não tive a oportunidade de conhecer Manaus ou Belém, por exemplo, de férias. Mas dei umas ‘fugidinhas’ para conhecer alguns dos pontos turísticos”.

Para ‘A Força do Querer’, a produtora de arte passou 35 dias na região, sendo 15 dias no Pará e 20 dias no Amazonas. As gravações da novela terminaram na última quinta-feira, dia 9. “Acredito que a chuva tenha sido uma grande dificuldade, mas estávamos preparados. A primeira vez que fomos a Manaus, já pensando na novela, foi em julho de 2016. Depois, retornamos em setembro e deixamos tudo bem amarrado. Foi um grande aprendizado, conseguimos uma nova maneira de olhar as peças produzidas no Norte”, diz.

Devidamente acompanhada de Rogério Gomes (Papinha), diretor da novela e com quem ela trabalha há quatro anos seguidos, Mirica diz que escolheu Acajatuba (AM) por uma espécie de ‘amor à primeira vista’. “Toda a história se passa em um local chamado Parazinho, mas, quando entramos em Acajatuba, ficamos encantados. A cidade é uma graça, pois ao mesmo tempo que ela é grande, é também concentrada. Encantadora”, finaliza.

Entre as benfeitorias realizadas pela produção de ‘A Força do Querer’, estão a  reforma da igreja da vila — por meio da colocação de cerâmicas, na parte externa do prédio, e da reforma de todo o piso interno — e a construção de pequenas varandas em casas que serviram de locação.

História

Escrita por Glória Perez, a trama tem previsão de estreia para abril deste ano. Além de Ísis Valverde e Marco Pigossi, a novela contará com Juliana Paes, Rodrigo Lombardi, Emílio Dantas, Fiuk, Dan Stulbach, Bruna Linzmeyer, Paolla Oliveira, Maria Fernanda Cândido, Lilia Cabral, Humberto Martins, Totia Meirelles e Edson Celulari.

O enredo mostra a necessidade do ser humano em sempre querer algo, ter um sonho, um desejo, seja amor, dinheiro, sucesso, identidade, poder, realização profissional. Todos quereres são múltiplos e se interligam, interagem entre si, nesse grande painel da convivência humana, harmonizando-se ou chocando-se uns com os outros. E, para dar o clima certo, ‘O Quereres’, de Caetano Veloso, será a trilha de abertura da novela.

Comentários via Facebook