Amazonense derrota russo no UFC Praga por 3×0

Natural de Careiro da Várzea (a 25 quilômetros a leste de Manaus) e criado no bairro Petrópolis, Diego Ferreira foi o primeiro brasileiro a entrar no octógono no evento deste sábado

Beatriz Gomes / redacao@diarioam.com.br

Manaus – No bairro Petrópolis, zona Sul de Manaus, amigos e familiares do lutador amazonense, Diego Ferreira, torceram pela vitória do peso-leve no UFC Praga, neste sábado (23). Por decisão unânime, o lutador venceu por 3 a zero, o russo Rustam Khabilov, na República Tcheca.

Natural de Careiro da Várzea (a 25 quilômetros a leste de Manaus) e criado no bairro Petrópolis, Diego foi o primeiro brasileiro a entrar no octógono no evento deste sábado, que começou ao meio-dia, horário local. A luta do amazonense foi a segunda do card preliminar.

Familiares e amigos do lutador Diego Ferreira (Foto: Eraldo Lopes)
Por vir de seis vitórias consecutivas, o russo era o lutador mais cotado no duelo, mas apesar da boa esquiva em pé, não evitou os golpes do brasileiro no primeiro round. Além, de mostrar superioridade na trocação, Diego escapou muito bem das tentativas do russo de ir para o chão.

No último minuto do round, o brasileiro surpreendeu. Após o russo tentar derrubá-lo, ele reverteu e pegou as costas do oponente, em crucifixo e encaixou o mata-leão. O russo resistiu até a batida do gongo.

No segundo round, o russo voltou mais agressivo e Diego com uma pontaria menos efetiva. Nos últimos segundos do terceiro e último round, o brasileiro acertou uma sequencia de golpes enterrando de vez a esperança do russo.

No discurso, em inglês, Diego agradeceu à equipe pela vitória. Em seguida, mandou beijos e abraços para a torcida de Manaus. “Beijo mãe, galera do Petrópolis”, disse para as câmeras do evento.

Torcida

Em Manaus, familiares e amigos do lutador se reuniram na casa de parentes, no bairro Petrópolis, para assistir a luta. A torcida estava ansiosa antes do confronto Entre eles, a irmã de Diego, Daniele Ferreira, 32. “Eu fico muito nervosa, mas minha mãe e meu pai não conseguem nem assistir, ficam só orando na hora da luta”, contou.

Após a vitória, a mãe do Diego, Ivanete Ferreira, 54, comemorou a conquista do filho de 34 anos. “Eu fico no meu quarto orando a Deus para que tudo dê certo”, disse. “Muita gente manda vídeo e depois que vou ver”, contou.

Histórico

Desde 2014, o amazonense faz parte do UFC, esta foi a sexta luta, sendo a quarta vitória seguida e duas derrotas. Atualmente, Diego mora no Texas, nos Estados Unidos.

Para o sobrinho Rogger Ferreira de 14 anos, o lutador é um exemplo. “Foi ele quem me deu meu primeiro kimono aos dez anos e sempre que ele vem, eu vou treinar com ele, porque quero chegar onde ele chegou”, contou orgulhoso.

Segundo o sobrinho, que é faixa verde no jiu-jitsu, Diego não é um professor autoritário. “Ele é muito carinhoso e paciente, leva a gente para as academias que visita”, contou.

“É muito emocionante assistir essa vitória dele, porque a gente sabe como foi difícil, cada um ajudava como podia, com uma passagem de ônibus ou um lanche. Mesmo assim, ele enfrentou preconceitos porque quando a gente fala que a pessoa é atleta, pensam logo que é um vagabundo”, contou emocionado, Julio Seixas, 43, primo do lutador.