Amazonense quer lutar mais para entrar no TOP 15 do UFC

Atleta do Careiro da Várzea, Carlos Diego está motivado pelo último ano vitorioso no Ultimate e planeja conseguir quatro desafiantes, em 2019, para ascender na categoria peso-leve (até 70 quilos)

Natasha Pinto / vencer@diarioam.com.br

Manaus – Depois de um 2018 de vitórias no Ultimate Fighting Championship (UFC), o lutador amazonense Carlos Diego, 33, do peso-leve (até 70kg), passou as festas de fim de ano com a família em Manaus. Ainda embalado, ele já voltou, na última quarta-feira (2), para a sua casa no Texas, nos Estados Unidos, onde iniciará a preparação para uma meta ambiciosa, em 2019: alcançar pela primeira vez o TOP 15 do Ultimate.

Mesmo com o ‘recesso’, o lutador do município do Careiro da Várzea (a 25 quilômetros a leste de Manaus), que compete na famosa franquia de MMA desde junho de 2014, não deixou de treinar enquanto esteve na casa dos familiares. Atualmente, ele tem um cartel de 14 vitórias, cinco pelo UFC, e duas derrotas, ambas pela franquia também.

Em dezembro do ano passado, amazonense derrotou o canadense Kyle Nelson na edição 231 do UFC (Foto: Getty Images/UFC)

“É muito gratificante poder passar (o Natal e Réveillon) com a família depois de um ano em que tive duas lutas e venci ambas por nocaute. É bem revigorante, afinal, eu sinto saudades do meu dia a dia com eles. Mas eu consegui ainda fazer alguns treinos para não ficar tão parado”, disse o amazonense.

E para atingir o objetivo traçado pelo lutador amazonense de entrar no TOP 15 do UFC, Carlos Diego está ciente que precisa conseguir um contrato de no mínimo quatro lutas pelo Ultimate neste ano. Só que o atleta sabe da dificuldade de conseguir um número maior de desafiantes em uma temporada pelo peso-leve, já que sua categoria é bastante massificada.

“Estou muito ansioso para este ano de 2019, espero ainda conseguir uma ou duas lutas neste primeiro semestre. Estou conversando com o meu empresário tem um tempo, já que eu não sofri nenhuma lesão ou dano grave na última luta. Isso é bem favorável para conseguir entrar em um card próximo, apesar da minha categoria ser bastante disputada”, explicou.

“Essas lutas me darão um ritmo muito bom, o que vai me ajudar a cumprir as minhas metas. Eu, sinceramente, estou de olho neste TOP 15 do UFC, sei que tenho condições reais de estar entre os melhores. Por isso, irei me dedicar ao máximo, porque sei, que quando chegar entre os 15, as lutas serão ainda mais difíceis”, finalizou.

Retrospcetiva

Em uma breve análise sobre seu último ano, Carlos considerou como ótimo e de superação pessoal, principalmente, em sua última luta no Ultimate, pela edição 231, no dia 8 de dezembro do ano passado, contra o canadense Kyle Nelson. O amazonense viveu momentos de tensão na ocasião, já que faltando pouco mais de 24 horas para a luta o seu adversário inicial, Jesse Ronson, argumentou que não conseguiria bater o peso para a disputa.

“Foram momentos bem difíceis, de muita aflição. Entretanto, é nestes momentos que devemos acreditar no manager e eu fiz isso. No final tudo deu certo, ele, junto com a organização do UFC, conseguiu achar um substituto, que foi o (Kyle) Nelson”, explicou Carlos.