Amazonense vence por um triz e lidera Paulista de FVee

Gabriel Silva terminou em primeiro lugar na pista molhada, em Interlagos, por milésimos de segundos, durante a 8ª etapa do torneio. Na classificação geral, ele supera em um ponto o vice-líder

Natasha Pinto/vencer@diarioam.com.br

Manaus – A duas etapas do encerramento do Campeonato Paulista de Fórmula Vee (FVee), a principal da modalidade no País, o piloto amazonense Gabriel Silva assumiu a liderança da categoria. pela oitava e antepenúltima etapa. Ele marcou 80 pontos, apenas um de vantagem sobre o paulista Heitor Nogueira, que abandonou a prova, no último sábado (19).

Segundo TítuloDepois de ganhar a Copa Minas, Gabriel briga por taça do Paulista. Foto:Fernando Santos/Divulgação FVee

Em uma corrida emocionante, Gabriel venceu, por milésimos de segundos, (0s085), em Interlagos. “Estou muito feliz, ainda mais confiante para conquistar o título”, disse Gabriel. “Um ponto é, praticamente, nada, mas só de ficar em primeiro já dá um ânimo”, completou.

Em meio à forte chuva, o amazonense largou em segundo lugar e assumiu a ponta da corrida na última volta ao vencer por menos de um segundo. “Na primeira volta assumi a liderança, mas faltando três voltas me passaram e fiquei concentrado para dar o bote na última volta. Acabei conseguindo na última curva, foi por pouco”, lembrou.

Esse é o primeiro ano do Gabriel Silva na categoria e o debutante já conquistou o título da Copa Minas, em Curvelo (MG), e recebeu o apelido de ‘Amazonense Voador’. “Acho legal porque gosto de ser do meu Estado, fica exclusivo, não tem outro piloto do Amazonas, fora o (Antonio) Pizzonia (ex-piloto de Fórmula 1 e atualmente na Stock Car)”, afirmou.

Talento que chamou a atenção de Wilsinho Fittipaldi, consultor e instrutor da Fvee, que elogiou o amazonense. “A cada prova, o Gabriel tem sido rápido e inteligente. Principalmente em condições como essa, com a pista bastante escorregadia, evitar erros foi fundamental. E, claro, saber acelerar na hora certa” disse.

O manauara reconhece que Wilsinho é um de seus maiores incentivadores. “Ele é, praticamente, um pai no meio do automobilismo. Ele me incentiva bastante e também me ajuda no concerto de carro, em tudo. Ele é fenomenal”, elogiou.

E Gabriel está prestes a ir mais longe. Ele conseguiu uma equipe para correr na Fórmula 1600, da Liga Norte-Americana, onde os carros podem atingir 200 km/h. “Para ir de vez falta só o patrocínio”, disse.

Como todo piloto, o amazonense sonha com a Fórmula 1. “Eu pretendo viver disso, sonho com a F-1, mas meu sonho mesmo, é viver de automobilismo”, revelou.