CBF terá de obter autorização para usar oficialmente vídeo em jogos no Brasil

Secretário-geral da International Board diz que entidade precisa dar o sinal verde para o uso do recurso

Estadão

São Paulo – A CBF terá de obter uma autorização da International Board (Ifab) para que possa usar oficialmente o vídeo na arbitragem do Campeonato Brasileiro. A informação é do secretário-geral da entidade que controla as regras do futebol mundial, Lucas Brud. Em entrevista ao Estado, o dirigente teceu elogios à preparação da CBF. Mas alertou que o maior desafio para a implementação da tecnologia é ainda a resistência popular.

Na edição desta terça-feira, o Estado revelou que o Brasileirão deve ter Árbitro de Vídeo já na rodada do próximo final de semana. O presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, solicitou à Comissão de Arbitragem o uso “o quanto antes” do recurso de vídeo. A medida é uma tentativa de resposta aos “graves erros” de arbitragem nas últimas rodadas, sobretudo o gol de mão do atacante Jô, que garantiu a vitória do Corinthians sobre o Vasco no último domingo.

Jô
Gol de Jô com o braço contra o Vasco foi o responsável pela atitude da CBF Foto: Werther Santana|Estadão

Segundo o Estado apurou, o recurso de vídeo só não será implantando na próxima rodada se houver algum empecilho de ordem técnica. Lucas Brud, porém, alerta que a CBF ainda precisa passar pela International Board para obter o sinal verde. “Temos de confirmar se o trabalho preparatório foi realizado principalmente no que se refere ao treinamento dos árbitros”, explicou. De acordo com ele, o pedido pode ser feito enviando vídeo clips dos juízes em questão.

O secretário-geral fez questão de elogiar o “bom trabalho” da CBF na preparação da tecnologia. “Principalmente considerando o tamanho do país e da diferença de infraestrutura que existe entre os estádios do país, acredito que o trabalho tem sido bem feito”, afirmou.

Lucas Brud também indicou que a entidade não vê problemas em adotar a tecnologia inicialmente para apenas alguns jogos e, aos poucos, expandir para todo o torneio. Na CBF, essa é a tendência para permitir que, gradativamente, a novidade passe a fazer parte da realidade do futebol nacional. “Na Polônia, a tecnologia está sendo implementada aos poucos”, disse. “Começaram com um jogo a cada semana e, agora, passaram a ter dois”, completou.

No total, a International Board acompanha um total de 20 torneios em 17 diferentes países. Mas o projeto ambicioso da entidade é de ampliar esse número de forma significativa a partir de 2018.

 

Em março, a entidade vai se reunir para tomar uma decisão final se introduz ou não a tecnologia. Na Fifa, porém, a entidade já trabalha com um cenário de que o vídeo será uma realidade a partir do ano que vem.

Lucas Brud não esconde o entusiasmo com a possibilidade de a revolução passar a valer. “Até agora, estamos muito além de onde pensávamos que estaríamos no desenvolvimento da tecnologia”, comemorou. “Os testes foram melhor que pensávamos. O que sim ocorre é que, em alguns países, por questão cultural, existe uma expectativa de que tudo seja perfeito desde o primeiro instante. Trata-se de algo que terá suas dores de crescimento. Mas vamos evitar escândalos e estamos no caminho certo”, garantiu.

Para ele, o maior desafio não está na tecnologia. Mas na reação popular. “Nosso maior desafio é a aceitação do público”, admitiu.