Na família Silva, a vocação vem do berço

Faixa-preta 3º dan, Silas dos Santos, 24, tem na família o apoio para disputar a 12ª Copa América, em São Paulo

Natasha Pinto / vencer@diarioam.com.br

Manaus – Poderia ser mais uma história de um taekwondista amazonense, representando o Amazonas na 12ª Copa América de Taekwondo, no próximo mês, em Arujá-SP. Mas a verdade é que Silas dos Santos, 24, faixa-preta 3º Dan, representará, na categoria até 80 kg, os sonhos de 80 crianças e adolescentes do projeto social da Associação Juruá de Taekwondo, que fica na Rua Cassiterita, nº239, bairro Nova Floresta, zona leste da capital.

Filho mais velho do casal Geraldo Pereira da Silva, 51, faixa-preta 5º Dan e Belair dos Santos, 49,faixa-preta 2º Dan, que fizeram da arte marcial coreana a base da família, Silas deu seus primeiros passos no tatame da Associação Juruá, que foi criada em 2005 por seus pais, para combater as dificuldades da comunidade.

“A Associação Juruá surgiu no momento em que eu e minha esposa enxergamos a realidade da nossa comunidade: drogas e violência. Necessitávamos de um local para a prática de um esporte. Então, eu e Belair nos graduamos para enfim trazer essa opção de escape para as crianças e adolescentes da região”, explicou Geraldo.

Com o pai e a mãe faixa-preta, filhos do casal seguem os passos na arte marcial coreana (Foto: Eraldo Lopes)

“Como ele e os irmãos cresceram aqui. Viram que o esporte era algo benéfico em meio a tudo que tinha da porta da Associação para fora. Por vontade própria, o Silas se dedicou desde cedo aos treinamentos, para que no futuro fosse um exemplo para os alunos e, hoje, ele conseguiu. Nossos pequenos se espelham muito nele”, completou o mestre.

Mãe é Mãe

A mestre Belair não escondeu o lado maternal pelo filho. Com os olhos marejados, ela exibe orgulho ao falar do filho. A mestre garantiu ser gratificante poder ver de perto o crescimento do filho no esporte e principalmente como pessoa, tornando-se a referência na Associação.

“As crianças sempre falam para mim, que quando crescerem querem ser iguais ao Silas. Não só pelo lado esportivo, mas também como pessoa. Então como mãe, é maravilhoso poder ouvir isso do seu filho”, revelou sem esconder a emoção.

Mesmo acostumada com os combates, Belair contou que não consegue controlar o coração de mãe quando Silas entra no tatame, mas que isso não a impede de cumprir seu papel como professora nas competições.

“Acredito que nenhuma mãe consiga se controlar quando assiste seu filho em uma disputa. Comigo não ia ser diferente (risos). Meu coração fica acelerado, minhas mãos geladas, a vontade de torcer e gritar é bem grande, mas sei que a minha função ali é como professora e só controlo a parte de gritar mesmo (risos)”, finalizou.

Associação Juruá presente na Copa América

Além de Silas, mais dois integrantes da Associação Juruá de Taekwondo também vão participar da 12ª Copa América da modalidade: Israel Nascimento, 15, faixa verde e disputará a competição na categoria até 58kg. Já Wanderley Silva, 45, faixa-preta 1º Dan, lutará na categoria máster 2, até 74 kg. Crias da casa, Silas não esconde o orgulho de ter atletas da academia viajado ao seu lado.

“Esta é a prova de que o trabalho está dando certo. A preparação deles está sendo puxada. Os treinamentos estão sendo todo dia comigo e com o mestre Geraldo”, disse Silas, que também é professor na ação social.

Silas dos Santos vai disputar a 12º Copa América, que acontece em São Paulo (Foto: Eraldo Lopes)

Em meio à rotina de treinamentos intensivos com o pai e com o presidente da Federação Amazonense de Tae Kwon Do Interestilos (Fati), Valmar Fernandes, Silas sabe da dificuldade que enfrentará em seu primeiro torneio internacional, mas relembra com orgulho o motivo que o faz se manter confiante.

“Vai ser meu primeiro torneio internacional, mas já tenho rodagem em brasileiros. É sempre gratificante poder representar o meu Estado em competições, mas poder representar a minha academia, as crianças que treinam e se inspiram em mim, é de muita responsabilidade. Serve como um incentivo a mais nos treinamentos”, confessou o taekwondista.