Thiago Macedo troca Manaus pelas vitórias no Texas, nos Estados Unidos

Quando questionado sobre o que o levou ao hall dos maiores faixas pretas do mundo, Thiago garante que o foco e o autoinvestimento são fundamentais

Filipe Távora / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Depois de fechar a temporada de 2018 com 20 medalhas de ouro, o amazonense Thiago Macedo, 25, sonha, agora, com o lugar mais alto do pódio nas próximas competições: o Pan-Americano e o Mundial de Jiu-Jítsu, marcados para março e junho, respectivamente.

Em entrevista ao GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC), o 6º colocado no ranking dos faixas pretas da International Brazilian Jiu-jitsu Federation (IBJJF) na categoria pesos-pena (70 quilos) contou como chegou ao Estado do Texas, nos Estados Unidos, falou ainda sobre os planos de migrar para o MMA e contou um pouco de como funciona o seu dia a dia alternando horários como de professor e como atleta competidor da ‘arte suave’.

Quando questionado sobre o que o levou ao hall dos maiores faixas pretas do mundo, Thiago garante que o foco e o autoinvestimento são fundamentais. “Quando me mudei para cá, estabeleci a meta de chegar aos vinte primeiros do ranking”, contou.

Thiago começou no tatame aos 8 anos, apenas por hobby, na academia Orley Lobato, situada no bairro Japiim, zona sul de Manaus, onde o atleta nasceu. Mas a paixão pela arte marcial se transformou em sonho de ir à terra do Tio Sam para morar, competir e viver profissionalmente pelo esporte.

Thiago tambén tem brilhado nas competições de luta sem kimono (Foto: Divulgação)

Macedo construiu primeiro a carreira por aqui, chegando ao topo do País com a conquista do Campeonato Brasileiro, em 2010, na faixa azul. Em 2012, aos 18 anos, surgiu a primeira oportunidade de realizar o sonho. Ao ser admitido na academia Rodrigo Pinheiro Brazilian Jiu-Jitsu, situada nos Estados Unidos, Thiago trocou o Amazonas pelo Texas para ensinar a arte suave.

“Já dava aulas para crianças em Manaus, mas quando cheguei aqui, foi uma experiência diferente. Pois demorei a me adaptar e para aprender o novo idioma. Mas hoje está tranquilo. Mas o começo foi um sufoco”, relembrou.

Treinos e preparação

Em território norte-americano, Thiago mantém uma rotina intensa dentro do esporte. Às segundas, quartas e sextas-feiras, o manauara inicia seu dia com treinos de jiu-jítsu e muay-thai. Já a preparação física acontece das 12h às 13h. Às terças e quintas, o treino começa às 6h, e termina às 10h30. À noite, Macedo exerce a função de professor em uma academia para garantir ‘a babita’ do mês.

Na preparação, o foco do atleta é no fortalecimento do corpo, com foco nos ligamentos, pernas e quadril. “A gente faz circuito de perna, muito agachamento e exercícios com Kettlebell”, contou.

Macedo considera que seu principal diferencial está relacionado ao foco. “Minha alimentação é 100% regrada. Todo dinheiro que ganho, invisto em mim mesmo”, disse.

Nas competições, Thiago luta três vezes por mês, em Estados diferentes dos EUA, focando nos ‘opens’, campeonatos estaduais que servem para classificar os competidores para o Mundial. As competições ocorrem com uma média semanal, ou com um ‘open’ a cada duas semanas.

“Como acontecem em vários Estados, as inscrições e as escolhas dos hotéis são complicadas. Com relação às lutas, fica complicado quando estamos chegando perto do mundial, porque todos começam a competir pelos pontos e aparecem uns nomes fortes”, explicou.

Macedo contou, à reportagem, que considera os embates contra Paulo Miyao, na final do campeonato americano nacional de 2016, e contra o atual campeão mundial dos pesos-pena, Shane Jamil Hill Taylor, em 2018, como as lutas mais memoráveis da sua carreira.